Tomislav Piplica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde novembro de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Tomislav Piplica
Informações pessoais
Nome completo Tomislav Piplica
Data de nasc. 5 de abril de 1969 (48 anos)
Local de nasc. Bugojno, Iugoslávia
Altura 1,82
Apelido 'Pippi, Pirat
Informações profissionais
Clube atual Aposentado
Posição Goleiro
Clubes de juventude
1981–1989 Jugoslávia Iskra Bugojno
Clubes profissionais
Anos Clubes Jogos e gol(o)s
1989–1991
1991–1992
1993–1997
1997–1998
1998–2009
Jugoslávia Zagreb
Croácia Istra Pula
Croácia Segesta Sisak
Croácia Samobor
Alemanha Energie Cottbus
Seleção nacional
2001–2002 Flag of Bosnia and Herzegovina.svg Bósnia e Herzegovina 0009 0000(0)

Tomislav Piplica (Bugojno, 5 de abril de 1969) é um ex-futebolista bósnio de origem croata que atuava como goleiro.

Debutou profissionalmente em 1989, no Zagreb, após ter ficado quase toda a década de 1980 nas categorias de base Iskra Bugojno, de sua cidade natal. Foi na terra das raízes, a Croácia, que ele passou os primeiros nove anos da carreira, atuando no período nos também modestos Istra Pula, Segesta Sisak e Samobor até se transerir em 1998 para o Energie Cottbus, equipe das divisões inferiores do futebol alemão.

Passaria o resto da carreira na equipe da antiga Alemanha Oriental, participando da ascensão do clube rumo à divisão de elite, a Bundesliga, no início dos anos 2000. Defendeu o Cottbus até 2009, quando se aposentou.

Pippi', como era conhecido, foi o goleiro reserva do título da Seleção Iugoslava no Campeonato Mundial de Futebol Sub-20 de 1987. Todavia, ao contrário de outros croatas do time, como Zvonimir Boban, Robert Jarni, Igor Štimac, Robert Prosinečki e Davor Šuker, sua carreira não foi tão triunfante, acabando por não ser aproveitado pela Seleção Croata após a dissolução da Iugoslávia.

Com isso, já veterano, aceitou jogar pela terra natal, atuando nove partidas pela Seleção da Bósnia e Herzegovina no início dos anos 2000, na mesma época em que obtinha sucesso no Energie Cottbus.