Tractatus Theologico-Politicus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Tractatus Theologico-Politicus

Escrito pelo filósofo holandês, de origem portuguesa, Baruch Spinoza o Tractatus Theologico-Politicus (Tratado teologico-político) foi um dos textos mais controversos do início do período moderno, tendo sido publicado em 1670 de forma anónima. Esse trabalho foi uma preparação para o trabalho posterior de Spinoza, Ética, pois já nessa obra ficam expressos algumas de suas ideias filosóficas, teológicas e propostas de liberdade de pensamento. O livro foi banido em 1674.[1]

Esse trabalho foi publicado de forma anónima em 1670 por Jan Rieuwertsz em Amsterdam. Para proteger o autor e o editor de possíveis revides políticos, a cidade da publicação consta como Hamburgo e o editor como Henricus Kunraht. A obra foi escrita em latim novo ao invés do holandês popular como forma de evitar a censura das autoridade holandesas.

As duas influências filosóficas mais significantivas no Tratado teologico-político foram Moses Maimônides e Thomas Hobbes. Enquanto a visão de cada pensador corre ao longo do texto, Maimonides influenciou fortemente a perspectiva de Espinosa da religião, a filosofia política dos últimos capítulos tem grande influência de Hobbes.

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

O livro provê uma crítica da intolerância religiosa e faz um apelo para uma sociedade secular, enquanto trata de dois temas principais: crítica da religião e filosofia política.


Referências


Obra integral

Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.