Crataeva tapia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Trapiá)
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido de «Crataeva tapia» na Wikipédia em espanhol. Ajude e colabore com a tradução.
Como ler uma caixa taxonómicaCrataeva tapia
Exemplo de Crataeva tapia

Exemplo de Crataeva tapia
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Subclasse: Dilleniidae
Ordem: Brassicales
Família: Capparaceae
Género: Crataeva
Espécie: C. tapia
Nome binomial
Crataeva tapia
Carolus Linnaeus

Crataeva tapia ou simplesmente tapiá é uma espécie de árvores ou arbustos, sendo o único membro do gênero monotípico Crataeva, pertencente a família Capparaceae. É uma espécie nativa das Américas.[1]

Detalhe do fruto

Descrição[editar | editar código-fonte]

São árvores ou arbustos que variam de 2 a 25 metros de altitude, com uma coroa de até 20 metros de diâmetro. Possuem uma crosta marrom opaca, que varia desde tons claros até tons mais escuros. Possuem também galhos largos e estreitos variando de 8 a 13 cm de comprimento e 2 a 9 cm de largura.

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

É uma espécie comum em florestas secas e áreas com solos arenosos, especialmente na altitude de 0-500 metros. Distribui-se intensamente entre o México e a Amazônia. Quando cresce em clima seco, é muito semelhante a Cucurbita palmeri.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Crataeva tapia foi descoberta por Carlos Linneo, o qual publicou o feito em Species Plantarum.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Crataeva tapia em The Plant List
  2. Crateva tapia L. Disponível em: http://www.tropicos.org/Name/5900725. Acessado em 17 de Outubro de 2013

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. CONABIO. 2009. Catálogo taxonómico de especies de México. 1. In Capital Nat. México. CONABIO, Mexico City.
  2. Cornejo Sotomayor, X. & H.H. Iltis. 2008. A revision of the American species of the genus Crateva (Capparaceae). Harvard Pap. Bot. 13(1): 121–135.
  3. Correa A., M.D., C. Galdames & M. Stapf. 2004. Cat. Pl. Vasc. Panamá 1–599. Smithsonian Tropical Research Institute, Panama.
  4. Davidse, G., M. Sousa Sánchez, S. Knapp & F. Chiang Cabrera. 2013. Saururaceae a Zygophyllaceae. 2(3): ined. In G. Davidse, M. Sousa Sánchez, S. Knapp & F. Chiang Cabrera (eds.) Fl. Mesoamer.. Universidad Nacional Autónoma de México, México.
  5. Forzza, R. C. 2010. Lista de espécies Flora do Brasil http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
  6. Funk, V. A., P. E. Berry, S. Alexander, T. H. Hollowell & C. L. Kelloff. 2007. Checklist of the Plants of the Guiana Shield (Venezuela: Amazonas, Bolivar, Delta Amacuro; Guyana, Surinam, French Guiana). Contr. U.S. Natl. Herb. 55: 1–584. View in Biodiversity Heritage Library
  7. Hokche, O., P. E. Berry & O. Huber. (eds.) 2008. Nuevo Cat. Fl. Vasc. Venezuela 1–860. Fundación Instituto Botánico de Venezuela, Caracas.
  8. Idárraga-Piedrahita, A., R. D. C. Ortiz, R. Callejas Posada & M. Merello. (eds.) 2011. Fl. Antioquia: Cat. 2: 9–939. Universidad de Antioquia, Medellín.
  9. Iltis, H.H. 2001. Capparaceae. En: Stevens, W.D., C. Ulloa Ulloa, A. Pool & O.M. Montiel (eds.). Fl. Nicaragua. Monogr. Syst. Bot. Missouri Bot. Gard. 85(1): 566–584.
  10. Jacobs, M. 1964. The genus Crateva. Blumea 12(2): 177–208.


Ícone de esboço Este artigo sobre árvores, integrado no Projeto Plantas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.