Travessia dos Andes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Os generais José de San Martín (esquerda) e Bernardo O'Higgins (direita) cruzam os Andes.

A Travessia dos Andes foi um dos feitos mais importantes nas guerras de independência da Argentina e do Chile, em que um exército combinado de soldados argentinos e exilados chilenos invadiu o Chile, levando à libertação da região do domínio espanhol. A travessia dos Andes foi um grande passo na estratégia concebida por José de San Martín para derrotar as forças favoráveis à coroa espanhola em sua fortaleza de Lima, no Vice-Reino do Peru, e garantir os movimentos de independência da América Espanhola.[1]

Partindo de Mendoza - então parte da província de Cuyo - em janeiro de 1817, seu objetivo era entrar no Chile, dominado pelos realistas, sem ser notado, por caminhos inesperados, para atacar as forças realistas de surpresa. O objetivo final era a libertação do Chile do domínio espanhol com as forças argentinas. Liderado por José de San Martín, o cruzamento demorou 21 dias.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rememorando el Cruce de los Andes
  2. Robertson, William Spence. "History of Latin-America Nations."'
Ícone de esboço Este artigo sobre o Chile é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.