Una furtiva lagrima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Una furtiva lagrima (Uma lágrima sombria, em português) é uma ária do último ato da ópera L'elisir d'amore, de Gaetano Donizetti. Estreou no Teatro della Canobbiana de Milão, em maio de 1832.

É uma das árias mais famosas da ópera.

Letra[editar | editar código-fonte]

Letra em Italiano:

Una furtiva lagrima

negli occhi suoi spuntò:

Quelle festose giovani

invidiar sembrò.

Che più cercando io vo?

Che più cercando io vo?

M'ama! Sì, m'ama, lo vedo. Lo vedo.

Un solo istante i palpiti

del suo bel cor sentir!

I miei sospir confondere

per poco a' suoi sospir!

I palpiti, i palpiti sentir,

confondere i miei co' suoi sospir...

Cielo! Si può morir!

Di più non chiedo, non chiedo.

Ah, cielo! Si può! Si può morir!

Di più non chiedo, non chiedo.

Si può morir! Si può morir d'amor.

Letra em português:

Uma lágrima escondida

Nos seus olhos surgiu...

que aquelas moças festivas

pareceram ficar com inveja. 

O que mais eu quero?

O que mais eu quero? 

Ela me ama! Sim, me ama, eu vejo.. eu vejo!

[Eu queria apenas] por um momento

ouvir as palpitações do seu coração,

e os meus suspiros se misturando

com os seus suspiros!

Os batimentos do seu coração sentir,

e nossos suspiros se misturando!

Céus!... Daí sim eu poderei morrer!

Não peço mais do que isso... não peço!

Ah, céus! Sim, poderei morrer,

poderei morrer...

... de amor!

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre música é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.