Dom Sébastien (ópera)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Dom Sébastien)
Dom Sébastien, roi de Portugal
Dom Sebastião, rei de Portugal
Ato III na primeira produção, no momento em que o grande inquisidor Juan de Sylva dá ordens de prisão a Dom Sebastião (gravura de L'Illustration)
Idioma original francês
Compositor Gaetano Donizetti
Libretista Eugene Scribe
Número de atos 5
Ano de estreia 1843
Local de estreia Opera Le Peletier, Paris.

Dom Sébastien, roi de Portugal, é uma grande ópera francesa em cinco atos de Gaetano Donizetti. Eugene Scribe escreveu o libreto baseado na peça Don Sébastien de Portugal de Paul Foucher (1838)[1], uma ficção histórica sobre o rei D. Sebastião (1554-1578) e a fatídica expedição de 1578 em Alcácer Quibir. A estreia teve lugar a 13 de novembro de 1843 na Ópera Le Peletier em Paris. Esta foi a última ópera de Donizetti concluída antes de manifestar sinais de loucura como resultado da sífilis.

À época, Donizetti estava tentando compor uma ópera para rivalizar com as óperas históricas, como as de Auber, Halévy e Meyerbeer. Um crítico chamou a Dom Sébastien  "um funeral em cinco atos"[2]. Por outro lado, Winton Dean disse que a ópera foi caracterizada por uma "honestidade dramática sem compromisso", ao comentar sobre as facetas dramáticas incomuns da obra[3]. Em 2005, Mary Ann Smart publicou uma edição crítica da lírica em francês, o que inclui em apêndices as variações e acréscimos que Donizetti fez para uma produção da ópera em alemão, apresentada na Ópera de Viena em 1845[4] [5].

Produção da ópera[editar | editar código-fonte]

A história de D. Sebastião chegou a Eugène Scribe (o principal criador de libretos da Ópera de Paris durante os anos 1830-40's), através de um monumental drama de Paul Foucher, "Dom Sébastien de Portugal", representado no Teatro de la Porte Sait-Martin em Paris, em 1838. A peça tinha sido um estrondoso sucesso e Léon Pillet, o director da Ópera de Paris, pediu a Scribe que preparasse um libreto para uma ópera de cinco actos sobre o tema. Inicialmente o libreto foi oferecido a Mendelssohn e a Meyerbeer, que não trabalharam nele. Finalmente Leon Pillet apresentou o libreto a Donizetti, que começaria logo a pensar no assunto, mesmo antes de assinar o contrato que confirmaria o compromisso de Donizetti para com a Ópera de Paris. Em Julho de 1843, Donizetti escrevia ao seu professor, Giovanni Simone Mayr:[6]

«Neste momento estou a escrever uma nova ópera em cinco actos para Paris. É "D. Sebastiano di Portogallo" - você vai reconhecer a história da mal fadada expedição organizada pelo rei contra os mouros, a perda do seu exército e a sua morte que ainda hoje permanece misteriosa. O assunto resume-se a isto. Vai ainda incluir o grande poeta Camões - a inquisição que trabalha secretamente para tornar Portugal num escravo de Espanha - um pouco de tudo na realidade.»

Donizetti entrou em frequentes discussões com Eugène Scribe sobre o libreto, acusando-o de descurar as motivações dos personagens, e os ensaios antes da estreia tiveram crises de paranóia, ataques de fúria, esquecimentos súbitos, tremores, e explosivos ataques de mau génio. Donizetti esperava que a ópera fosse um verdadeiro triunfo na Ópera de Paris e a ansiedade que então o consumia deixava-o muito sensível à crítica. A estreia correu muito bem e a ópera foi bem recebida, no entanto não foi o triunfo que Donizetti esperava, provocando-lhe uma certa amargura. Foi então feita uma versão italiana - Don Sebastiano, re di Portogallo - que permaneceu nos palcos da pátria amada de Donizetti durante muito tempo.[6]

Personagens[editar | editar código-fonte]

Papel[7] Voz Estreia de 13 de novembro de 1843
Dom Sebastião, rei de Portugal tenor Gilbert Duprez
Dom António, seu tio, regente do reino na sua ausência tenor Jean-Baptiste Octave
Juan de Sylva, grande inquisidor baixo Nicolas-Prosper Levasseur
Camões, soldado e poeta barítono Paul Barroilhet
Dom Henrique, tenente de D. Sebastião baixo Ferdinand Prévost
Ben-Selim, governador de Fez baixo Hippolyte Brémont
Abayaldos, chefe de tribos árabes, o noivo de Zayda barítono Eugène Massol
Zayda, filha de Ben-Selim meio-soprano Rosine Stoltz
Don Luis, enviado de Espanha tenor
Soldado (baixo), primeiro inquisidor (tenor), segundo inquisidor (tenor), terceiro inquisidor (baixo)[8]
Refrão : Senhores e senhoras da corte de Portugal, soldados e marinheiros portugueses, soldados e mulheres árabes, membros da inquisição, homens e mulheres do povo

Argumento[editar | editar código-fonte]

Ano: 1578, Locais: Lisboa e Marrocos (no 2º ato)[9].

Acto I[editar | editar código-fonte]

Lisboa

O rei cristão D. Sebastião, deixa o seu tio D. António, como regente de Portugal, enquanto ele parte em cruzada contra os Árabes. A comitiva de D. Sebastião integra o poeta Camões e a princesa Zayda, do norte de África, condenada a morrer na fogueira por ter tentado escapar do convento depois da sua conversão ao cristianismo (coro dos inquisidores: Justiça Celeste quer o seu tormento). Salva da fogueira pela intervenção de D. Sebastião (que comutou a sentença para o exílio com seu pai, Ben-Selim) Zayda louva o rei (Ó meu Deus! Na terra) .

Acto II[editar | editar código-fonte]

Fez, em Marrocos

O reencontro entre Zayda e Ben-Selim é um pouco afetuoso: ela recusa-se a casar com o chefe árabe Abayaldos.

A planície de Alcácer-Quibir após a batalha

Abayaldos comanda os Árabes na batalha contra as forças de D. Sebastião, exterminadas na sua maior parte. A vida de D. Sebastião, ferido, é salva apenas porque o seu tenente, Dom Henrique, se apresenta a Abayaldos fingindo ser D. Sebastião̹̹̹̹̹̟, antes de morrer dos ferimentos, e porque Zayda roga para salvar o cristão (o verdadeiro D. Sebastião) em troca do seu consentimento para casar com Abayaldos. Sebastião, destroçado, é abandonado no campo de batalha e lamenta-se (Sozinho na terra).

Acto III[editar | editar código-fonte]

Praça principal de Lisboa

Camões sobrevive à batalha e volta para Lisboa (Ó minha pátria!). Sabe então que António, ajudado pelo grande inquisidor espanhol Dom Juan de Sylva, havia usurpado o trono. Camões encontra Sebastião quando passa o seu cortejo fúnebre, do rei morto ( Requiem). Camões semeia a desordem pela sua indignação, e Sebastião é reconhecido pelo povo quando intervém. Abayaldos, vindo a Lisboa, para entregar o corpo do rei português, reconhece o humilde cristão de quem salvou a vida. Sebastião é preso por impostura pelo grande inquisidor Dom Juan da Sylva.

Acto IV[editar | editar código-fonte]

Uma sala da Inquisição em Lisboa

No julgamento de Sebastião, Zayda prova o seu amor para com ele, ao testemunhar a verdadeira identidade do preso, e de como ele escapou à morte. Abayaldos acusa Zayda de adultério, e os inquisidores condenam tanto Sebastião, quanto Zayda, de morrerem pela espada, e pelo fogo.

Acto V[editar | editar código-fonte]

O tribunal de Lisboa

Sebastião e Zayda, presos juntos numa torre sobre o mar, vivem alguns dias de felicidade antes da execução. Ansioso por legitimar o seu negócio com a Espanha, Dom António oferece-se para poupar a vida de Sebastião se Zayda o convencer a assinar um documento oficial, transferindo o reino de Portugal para Espanha. Sebastião, depois de recusar, assina. Zayda livre, mas indefesa, tenta lançar-se da torre para morrer afogada.

Numa torre adjacente às prisões da Inquisição

Sebastião agarra Zayda no topo da torre. Vêem chegar Camões num barco, procurando salvá-los. Descem a escada de corda que os conduzirá à liberdade, mas são descobertos a meio do caminho. Os perseguidores cortam a corda, o casal afoga-se e Camões é morto. Quando cai a cortina, a frota espanhola aparece no horizonte. Portugal perdeu a sua independência.

Registos[editar | editar código-fonte]

Ano Papéis

(Zayda, D. Sebastião, Camões, Juan de Silva)

Maestro,

Ópera & orquestra

Etiqueta[10]
1984 Klára Takács,

Richard Leech,
Lajos Miller,
Sergei Koptchak

Eve Queler,

Opera Orchestra of New York & Schola Cantorum of New York
(gravação do concerto no Carnegie Hall, em 23 de março)

CD de áudio : Legato Classics.

LCD 190-2

1998 Monica Minarelli,

Robert Woroniecki,
Ettore Kim,
Randall Jakobsh

Elio Boncompagni,

Sinfonie Orchester Aachen, & Aachener Städische Teatro Chorus

CD de áudio : Kicco Classic.

KCO18CD-1/2

2005 Vesselina Kasarova,

Giuseppe Filianoti,
Carmelo, Corrado-Caruso,
Alastair Quilômetros

Mark Elder,

Orquestra & coro do Royal Opera House, Covent Garden[11]

CD de áudio : Opera Rara

ORC 33


Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Paul Foucherul, Don Sébastien de Portugal : tragédie en cinq actes, Paris, J. N. Barba ; Delloye ; Bezou, 1838. A estreia da peça teatral ocorreu no Théâtre de la Porte-Saint-Martin em 9 de novembro de 1838.
  2. Donal Henehan, « Donizetti's Dom Sebastien », New York Times, 24/03/1984.
  3. Winton Dean, "Donizetti's Serious Operas". Proceedings of the Royal Musical Association, vol. 100, 1973, p. 123-141.
  4. « Dom Sebastien, roi de Portugal » University of Chicago Press (Distributed for Casa Ricordi)
  5. Gaetano Donizetti, Mary Ann Smart et Eugène Scribe, Dom Sébastien, roi de Portugal : opéra en cinq acts, Ricordi, 2005
  6. a b Antena 2ː ARGUMENTOS DE ÓPERAS. Don Sebastião, Rei de Portugal. Ópera em cinco atos.(21/07/2011)[1]
  7. Os papéis e os tipos de voz são definidos na partitura para voz e piano da edição crítica (Donizetti, Smart 2005, p. VII)
  8. Estes pequenos papéis podem ser cantados por membros do Coro.
  9. Osborne, p. 297.
  10. Fonte dos dados nas gravações: operadis-opera-discography.org.uk.
  11. Tim Ashley, « Donizetti: Dom Sébastien, Kasarova/ Filianoti/ Keenlyside/ Miles/ Royal Opera House Chorus and Orchestra/ Elder », The Guardian, 11/05/2007


Referências[editar | editar código-fonte]

  • William Ashbrook, Donizetti and his operas, Cambridge University Press, 1982 ISBN 0-521-23526-X ISBN 0-521-23526-X.
  • Gaetano Donizetti: Mary Ann Smart (ed.) & Eugene Scribe, Dom Sébastien, Roi de Portugal : ópera em cinco atos (partitura reduzida para voz e piano, com base na edição crítica da partitura para voz e orquestra). Milão, Ricordi, 2005 ISBN 978-88-7592-751-6.
  • Amanda Holden (ed), The New Penguin Opera Guide, New York: Penguin Putnam, 2001, ISBN 0-14-029312-4.
  • Charles Osborne,  The Bel Canto Operas of Rossini, Donizetti and Bellini. Portland, Oregon, Amadeus Press, 1994 ISBN 0-931340-71-3.
  • Herbert Weinstock, Donizetti and the World of Opera in Italy, Paris and Vienna, in the First Half of the Nineteenth Century. Methuen, First British Edition, 1964 ASIN B0000CM5Y9.

Links externos[editar | editar código-fonte]