União Caboverdiana Independente e Democrática

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
União Caboverdiana Independente e Democrática
(UCID)
Presidente António Monteiro
Fundação 1977 (42 anos)
Sede Praia, Cabo Verde
Ideologia Liberalismo,
Conservadorismo
Assembleia Nacional de Cabo Verde
3 / 72
Espectro político Direita[1]
Cores Verde e azul

A União Cabo-verdiana Independente e Democrática[2] (UCID) é um partido político de direita em Cabo Verde.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A UCID foi formada em 1977 pelos cabo-verdianos da diáspora. Ela surgia como movimento de oposição ao PAIGC, o partido único em Guiné e Cabo Verde até 1980. Quando ocorreu a cisão criando o PAICV em janeiro de 1981, o UCID passou a fazer oposição a este partido. Mesmo sendo o único movimento de oposição até a democratização cabo-verdiana, a atuação deste era bastante pequena, limitando-se basicamente aos cabo-verdianos da diáspora.[3]

A UCID foi formalmente reconhecida, como partido político, após a abertura política de 1990, mais concretamente, a partir do seu I Congresso Nacional em julho de 1991. Devido ao atraso na sua legalização, a UCID não participou nas primeiras eleições livres e multipartidárias em Cabo Verde, mas apoiou o Movimento para a Democracia (MpD).

Em sua primeira eleição em 1995, conquistou 1.56% dos votos, mas não conseguiu eleger nenhum parlamentar. Na eleição realizada em 14 de janeiro de 2001, o partido fazia parte da coalização Aliança Democrática para a Mudança (ADM). A ADM conquistou 6,12% dos votos e dois assentos na Assembleia Nacional. Jorge Carlos Fonseca, o candidato da aliança na eleição presidencial de fevereiro 2001, conquistou 3,9% dos votos.

Na eleição legislativa realizada em 22 de janeiro de 2006, o partido ganhou 2,64% do voto popular e 2 assentos na Assembleia Nacional.

Na eleição de 6 de fevereiro de 2011 para a Assembleia Nacional, o partido conseguiu 4.39% dos votos, mas embora o crescimento em relação a eleição anterior, manteve os mesmos 2 assentos no parlamento.[4]

Referências

  1. CRUZ, Pedro Lopes da. Ideologias Políticas: Direita e Esquerda em Cabo Verde, de 1975 a 2010 - Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa
  2. SANCHES, EdalinaInstitucionalização dos Sistemas Partidários na África Lusófona – O caso cabo-verdiano - Cadernos de Estudos Africanos - PUC/RJ, 20 | 2011, 111-138.
  3. VAN-DUNÉM, Belarmino. Cabo Verde: Vitória de Jorge Carlos Fonseca abre novo cenário político. Luanda, 2011.
  4. Elections in Cape Verde - African Elections Database
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.