Usina Nuclear de Kashiwazaki-Kariwa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde abril de 2018).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Usina Nuclear de Kashiwazaki-Kariwa
Kashiwazaki-Kariwa cropped.jpg

Visão aérea com os canais de água para o resfriamento da usina

Estatísticas
Coordenadas 37° 25,7′ N, 138° 36,1′ L
País  Japão
Status: Fora de serviço
Início da construção 5 de junho de 1980
Comissionada 18 de setembro de 1985
Operadora: Tokyo Electric Power Company
Fonte de água refrigerante: Mar do Japão
Unidades operacionais: 5 × 1,067 MW
2 × 1,315 MW
Unidades em construção: -
Unidades planejadas: -
Tipo de reator: 5 BWRs e 2 ABWRs
Fabricante do reator:
Capacidade elétrica : 7.965 MW
Geração elétrica anual: 0 TWh (60,5 TWh em 1999)
Fator capacidade: 0%

A Usina Nuclear de Kashiwazaki-Kariwa 柏崎刈羽原子力発電所 (Kashiwazaki-Kariwa genshiryoku-hatsudensho, Kashiwazaki-Kariwa NPP?) é uma grande e moderna (ela possui o primeiro reator ABWR do mundo) usina nuclear localizada em uma instalação de 4,2 quilômetros quadrados (1 038 acres)v[1] Com terras incluindo partes das cidades de Kashiwazaki, Niigata e Kariwa, Niigata na Prefeitura de Niigata, no costa do Mar do Japão do Japão, de onde a sua água para refrigeração é retirada. A usina é operada e é de propriedade da Tokyo Electric Power Company (TEPCO).

É a maior usina nuclear geradora de energia elétrica do mundo tanto por capacidade instalada como por produção de energia elétrica, com 8,212 MW de potência total[2] e potência de 7 965 MW para a rede de energia elétrica, atingindo um pico de produção de energia elétrica em 1999 quando teve todas os seus 7 reatores nucleares instalados e em funcionamento comercial atingindo uma produção de 60,5 TWh.

Ela estava à aproximadamente a 19 km do epicentro do segundo terremoto mais forte que já ocorreu com a usina, o Terremoto Chūetsu de 2007 que era 6.6 Mw. Ele atingiu a planta além da base do seu projeto e iniciou uma extensa desativação para a inspeção, que indicou que maiores medidas anti-terremotos eram necessárias antes que as operações pudessem continuar. A usina foi completamente desativada por 21 meses após esse terremoto. A unidade 7 foi reativada após as atualizações de efeito sísmico em 9 de maio de 2009, seguida pelas unidades 1, 5 e 6(as unidades 2,3 e 4 não foram reativadas).

Depois do Terremoto de 11 de março de 2011, todas as unidades que haviam sido religadas foram desativadas e melhorias na segurança estão sendo feitas e nenhum reator foi reativado desde então; as propostas mais antecipatórias para a reativação são para abril de 2019 (para os reatores 6 e 7).[3][4][5]


Reatores[editar | editar código-fonte]

Existem 7 unidades, as quais estão alinhadas com a costa. As numerações começam com a unidade 1, que é a unidade mais ao sul até a unidade 4, então tem um grande espaço verde entre as unidades 4 e 7, então continua com as unidades 6 e 7, os mais novos dos reatores.[6]

A Usina Nuclear de Kashiwazaki-Kariwa, com 7 unidades, é a maior estação nuclear do mundo, foi desativada por 21 meses após um terremoto em 2007.[7]
Atributos dos reatores
KK – 1 KK – 2 KK – 3 KK – 4 KK – 5 KK – 6 KK – 7
Tipo de Reator BWR BWR BWR BWR BWR ABWR ABWR
Potência para a rede (MW) 1,067 1,067 1,067 1,067 1,067 1,315 1,315
Potência total (MW) 1,100 1,100 1,100 1,100 1,100 1,356 1,356
Início da construção 5/6/1980 18/11/1985 7/3/1989 5/3/1990 20/6/1985 3/11/1992 1/7/1993
Criticalidade 12/12/1984 30/11/1989 19/10/1992 1/11/1993 20/7/1989 18/12/1995 1/11/1996
Data de comissão 18/9/1985 28/9/1990 11/8/1993 11/8/1994 10/4/1990 7/11/1996 2/7/1997
Custos da instalação
(1,000 yen/kW)
330 360 310 310 420 310 280[8]
Fornecedor do reator Toshiba Toshiba Toshiba Hitachi Hitachi Hitachi/
Toshiba/GE
Hitachi/
Toshiba/GE

Os custos para as unidades para a instalação refletem bem a tendência geral nos custos para as usinas nucleares. Custos capitais aumentaram durante os anos de 1980s mas se tornaram mais baratos em tempos modernos. As duas últimas unidades foram os primeiros Advanced Boiling Water Reactors (ABWRs) já construídos.

Performance[editar | editar código-fonte]

Apesar as frequentes mudanças de performance devido aos desligamentos de rotina, a planta como um todo operou quando continuamente até os eventos dos anos 2000s que afetaram toda a usina.

Uma instalação grande desse port tem várias vantagens econômicas, uma das quais é o impacto limitado do desligamento de reatores individuais para a retirada de combustível já consumido e reposição, o que afeta a produção de energia. Uma suave transição foi vista na história de produção de energia da usina até o tempo da instalação das duas últimas unidades. Infelizmente, desde que a construção foi completada, a usina passou por dois eventos que causaram a desativação dela inteira.


Desligamentos parciais[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 1991, a unidade 2 foi automaticamente desligada seguindo uma rápida queda do nível de pressão de óleo dentro da turbina de vapor.[9]

Em 18 de julho de 1997, vapor radioativo vazou pelo manômetro da unidade 7 da usina de Kashiwazaki-Kariwa. Em maio, uma explosão em um tubo atrasou diversos testes de funcionamento na usina, e antes em julho, encontraram fumaça saindo do maquinário da planta.[10]

Em janeiro de 1998, a unidade 1 foi desligada após aumento dos níveis de radiação no vapor passando pela turbina, o que acionou alarmes. Os níveis reportados eram de 270 vezes o nível de operação esperado.[11]

Os reatores na Usina KK foram desligados um por um após a descoberta de falsificação deliberada de dados. O primeiro foi retirado de ação em 9 de setembro de 2002 e o último foi desligado em 27 de janeiro de 2003.[12] As unidades mais novas, os intrinsecamente mais seguros ABWRs, foram reativados mais rápido e sofrerem o menor efeito. As unidades 1,2 e 3 por sua vez, não geraram energia durante o ano fiscal de 2003.


Combustível[editar | editar código-fonte]

Todos os reatores continuam a usar urânio pouco enriquecido como combustível nuclear, entretanto, existiram planos da TEPCO para usar combustível MOX em alguns dos reatores com a permissão da Comissão de Energia Atômica do Japão (JAEC). Um referendo público na Vila de Kariwa em 2001 teve como resultado 53% dos votos contra o uso do novo combustível. Após os escândalos de fabricação de dados pela TEPCO em 2002, Nobuya Minami, o presidente à época, anunciou que os planos de usar combustível MOX na usina de KK haviam sido suspensos por tempo indefinido.


Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem os portais:

Refêrencias[editar | editar código-fonte]

  1. TEPCO Official Press Release (Japonês). First in Japan – Use of the Full Area for Power Plant Buildings, Reinforced Concrete R&D, and Waste Incinerator Building. 25 de Julho de 2002.
  2. http://www.tepco.co.jp/en/challenge/energy/nuclear/plants-e.html
  3. «Tepco may ask U.S. utility to inspect Kashiwazaki-Kariwa nuclear plant». 30 de Outubro de 2014. Consultado em 7 de Fevereiro de 2017. – via Japan Times Online 
  4. Reuters: Tepco shares slump after anti-nuclear novice wins Japan election, acessado em: 4 de Dezembro de 2016
  5. «Tepco contemplates 2019 restart for giant Kashiwazaki-Kariwa nuclear plant». The Japan Times. 22 de Abril de 2017. Consultado em 16 de Outubro de 2017. 
  6. Monitoring
  7. The European Parliament's Greens-EFA Group – The World Nuclear Industry Status Report 2007 Arquivado em 2008-06-25 no Wayback Machine. p. 23.
  8. «よくわかる原子力 – 原発の発電コスト». Consultado em 7 de Fevereiro de 2017. 
  9. «Nuclear woes - automatic shutdown at Kashiwazaki nuclear power plant, Japan 1991 - on Newspapers.com». Newspapers.com. Consultado em 22 de agosto de 2015. 
  10. «Kashiwazaki nuclear power plant malfunctions and emissions, Japan 1997 - on Newspapers.com». Newspapers.com. Consultado em 22 de agosto de 2015. 
  11. «Kashiwazaki nuclear power plant shutdown after unusual radiation spike, Japan 1998 - on Newspapers.com». Newspapers.com. Consultado em 22 de agosto de 2015. 
  12. «Imagine a world without nuclear power... – Wise International». Consultado em 7 de Fevereiro de 2017. 

Links externos[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Usina Nuclear de Kashiwazaki-Kariwa
Relacionados a o terremoto de Niigata Chuetsu
Relacionados a usina inteira