Lei da utilidade marginal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Utilidade marginal)

A Lei da utilidade marginal expressa que em uma relação econômica a utilidade marginal decresce à medida que se consome mais uma unidade.[1]

(em inglês) The greater the supply of a good, the lower the marginal utility; the smaller the supply, the higher the marginal utility; (Quanto maior é a oferta de um bem, menor é a utilidade marginal; quanto menor a oferta de um bem, maior é a utilidade marginal)[2]

A utilidade total de um bem cresce quando se consome maiores quantidades dele, mas seu incremento da utilidade marginal é cada vez menor. [3][4]

Podemos estabelecer, como lei geral, que o grau de utilidade varia com a quantidade de um bem e finalmente diminui na medida em que a quantidade aumenta.
— William Stanley Jevons, Theory of Political Economy (A Teoria da Economia Política), 1871

O consumidor tem satisfação com um bem, mas a unidade seguinte já não lhe proporciona tanto prazer como a anterior. [5][6][7]

O chamado paradoxo da água e do diamante ilustra a importância do conceito de utilidade marginal.[8]

Referências

  1. David Friedman, Price Theory: An Intermediate Text, Section II, Price = Cost = Value: Competivite Equilibrium in a Simple Economy, Chapter 3, The Consumer: Choice and Indifference Curves, The Consumer I: English Version [em linha]
  2. Rothbard, Murray. Man, Economy, and State with Power and Market: The Scholar’s Edition. [S.l.: s.n.] 
  3. A Teoria da Economia Política, William Stanley Jevons
  4. Natural Value, Friedrich von Wieser
  5. A Teoria da Economia Política, William Stanley Jevons
  6. Principles of Economics, Carl Menger
  7. Natural Value, Friedrich von Wieser
  8. Principles of Economics, Carl Menger
Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.