Vasco de Lima Couto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vasco de Lima Couto
Nascimento 26 de novembro de 1924
Porto
Morte 10 de março de 1980 (55 anos)
Lisboa
Nacionalidade Português
Ocupação Poeta, actor, encenador, declamador e radialista
Principais trabalhos Deixando discorrer os rios (1991)

Vasco de Lima Couto (Porto, 26 de Novembro de 1924 - Lisboa, 10 de Março de 1980) foi um poeta, actor, encenador, declamador e radialista português.

Percurso[editar | editar código-fonte]

Estreou-se como actor em 27 de Março de 1947. Em 13 de Março de 1951 entrou para a Companhia de Amélia Rey Colaço - Robles Monteiro, a mais conceituada da época. Trabalhou também no Teatro Experimental do Porto, Teatro da Câmara - Estufa Fria, Teatro da Trindade e Teatro Experimental de Lisboa.

Foi para Angola onde colaborou em programas de rádio.

Regressou a Portugal em 1974. Trabalhou no Teatro da Cornucópia e na Companhia de Maria Matos.

Em 1975, gravou o seu segundo disco de poesia com poemas da sua autoria.

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Em Constância existe um museu monográfico dedicado ao poeta, reunindo o seu espólio. A actual Casa Museu Vasco de Lima Couto é, desde os anos 70, propriedade de José Ramoa Ferreira, o Zé Brasileiro, português de Braga dos versos de Vasco de Lima Couto.

Casa apalaçada dos finais do século XVIII, foi habitação de diversas figuras importantes da vida local e nacional, como o ministro setembrista Passos Manuel, Jacinto de Sousa Falcão e sua esposa, descendente de um da linhagem dos doze de Inglaterra, o doutor Francisco de Oliveira Moncada, governador-geral de Angola e o professor pintor José Campas.

O poeta viveu nesta casa os últimos quatro anos da sua vida. Após o seu falecimento, foi transformada em Casa-Museu, inaugurada pelo presidente da República, general Ramalho Eanes em Março de 1981.

Guarda objectos pessoais de Lima Couto e muitos originais, em especial correspondência trocada com amigos, bem como uma rica colecção de arte constituída por mobiliário e pintura.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Arrebol - 1943
  • Romance - 1947
  • Recado Invisivel - 1950
  • Os olhos e o silêncio - 1952
  • O Silêncio Quebrado - 1959
  • Esta continua saudade... - 1974
  • Bom Dia Meu Amor... - 1974
  • Canto de Vida e de Morte - 1981
  • Deixando discorrer os rios - 1991

Discografia[editar | editar código-fonte]

O single "Erotica" inclui os poemas "A voz perto de Mim", "O Futuro é Hoje", "Para ver se te Desprezo", "Pois", "Adolescente", "Felatio", "Posse" e "Realmente não". Os poemas são ditos pelo próprio autor e com música e acompanhamento de Duarte Costa.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]