Volume sistólico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em fisiologia cardiovascular, o  volume sistólico (VS) ou volume sistólico de ejeção é o volume de sangue bombeado pelo ventrículo cardíaco esquerdo por batimento. O volume sistólico é calculado usando medidas volumétricas de ecocardiograma e tomando o volume de sangue no ventrículo ao fim da contração (denominado volume sistólico final) e subtraindo o volume logo antes do início (chamado de volume diastólico final). O termo volume sistólico  pode se referi a ambos ventrículos cardíacos, mas é normalmente utilizado em relação ao ventrículos esquerdo. Os volumes sistólicos para cada ventrículo são geralmente iguais, sendo ambos cerca de 70 mL em um homem saudável de 70 kg.

O volume sistólico é um determinante chave do débito cardíaco, que é o produto do volume sistólico pela frequência cardíaca, sendo usado também para o cálculo da fração de ejeção (volume sistólico de ejeção divido por volume diastólico final). Como o volume sistólico pode diminuir em algumas doenças, como  a insuficiência cardíaca, ele é correlaciona-se com funcionamento cardíaco adequado.

Cálculo[editar | editar código-fonte]

Exemplo de valores para homem de 70 kg 
Volumes Ventriculares  
Medida Ventrículo Direito Ventrículo Esquerdo
Volume Diastólico Final (VDF) 144 mL(± 23mL)[1] 142 mL (± 21 mL)[2]
Volume Diastólico final (VDF) / Área de Superfície Corporal (mL/m2) 78  (± 11 )[1] 78  (± 8.8)[2]
Volume Sistólico Final (VSF) 50 mL (± 14 mL)[1] 47 mL (± 10 mL)[2]
Volume Sistólico Final (VSF) / Área de Superfície Corporal (mL/m2) 27 (± 7 )[1] 26 (± 5.1)[2]
Volume Sistólico (VS) 94 mL (± 15 mL)[1] 95 mL (± 14 mL)[2]
Volume Sistólico (VS) / Área de Superfície Corporal (mL/m2) 51 mL (± 7 mL)[1] 52 mL (± 6.2 mL)[2]
Fração de Ejeção (Ef) 66% (± 6%)[1] 67% (± 4.6%)[2]
Frequência cardíaca(FC) 60–100 bpm
60–100 Batidas por minuto[3]
Débito Cardíaco (DC) 5.25 L/minuto 4.0–8.0 L/minuto[4]

O valor do VS  é obtido pela subtração do volume diastólico final (VDF) pelo volume sistólico final (VSF) para um dado ventrículo. A equação abaixo usa as abreviações em inglês (VS para volume sistólico, EDV para volume diastólico final e ESV para volume sistólico final.

Em um homem saudável de 70 kg, o VDF é de aproximadamente 120 ml e o VSF é de aproximadamente 50 ml, dando uma diferença de 70 ml, o volume sistólico de ejeção.

O "trabalho sistólico" é o trabalho cardíaco, correspondente à área em um gráfico pressão sanguínea x volume ventricular.[5]

Determinantes[editar | editar código-fonte]

Homens, em média, têm volumes sistólicos mais elevados do que as mulheres, devido ao maior tamanho médio do coração. No entanto, o volume sistólico depende de outros fatores, como contratilidade, duração da contração, pré-carga (e volume diastólico final) e pós-carga.

Exercício físico[editar | editar código-fonte]

Exercícios aeróbicos prolongados também podem aumentar o volume de ejeção, o que frequentemente resulta em um menor freqüência cardíaca ( de repouso) . A redução da frequência cardíaca prolonga a diástole ventricular (enchimento), aumentando o volume diastólico final e, finalmente, permitindo que mais sangue seja ejetado.

Pré-carga[editar | editar código-fonte]

O volume sistólico de ejeção é intrinsecamente controlado pela pré-carga (grosso modo, o grau em que os ventrículos são esticados antes da contratação). Um aumento no volume ou na velocidade do retorno venoso aumentará a pré-carga e, por meio do mecanismo de Frank-Starling, irá aumentar a contração e o volume de ejeção. A diminuição do retorno venoso tem efeito contrário, causando uma redução no volume sistólico.

Pós-carga[editar | editar código-fonte]

O aumento da pós-carga (comumente medida como a pressão aórtica durante a sístole) reduz o volume sistólico. Embora não afete normalmente o volume sistólico em indivíduos saudáveis, o aumento da pós-carga irá dificultar a ejeção de sangue pelos, o que pode reduzir o volume sistólico. O aumento da pós-carga pode ser encontrado em casos de estenose aórtica e hipertensão arterial.

Índice de Volume Sistólico[editar | editar código-fonte]

Semelhante ao índice cardíaco, o índice de volume sistólico (SVI) é um método que leva em consideração o  volume sistólico de ejeção  em relação ao tamanho área de superfície corporal.

Na equação acima (siglas em inglês)ː̈

  • SV I = Índice de Volume Sistólico(Stroke Volume Index);
  • SV = volume sistólico (Stroke Volume);
  • BSA = Área de Superfície Corporal (Body Surface Area);

̈* CO = Débito Cardíaco (Cardiac Output);

  • HR = Frequência Cardíaca (Heart Rate)

Referências

  1. a b c d e f g Maceira, Alicia (2006).
  2. a b c d e f g Maceira, Alicia (2006).
  3. Normal ranges for heart rate are among the narrowest limits between bradycardia and tachycardia.
  4. Edwards Lifesciences LLC > Normal Hemodynamic Parameters – Adult 2009
  5. Katz, Arnold M. (2006). Physiology of the heart (Hagerstwon, MD: Lippincott Williams & Wilkins). p. 337. ISBN 0-7817-5501-8. 
  • Berne, Robert M., Levy, Matthew N. (2001). Cardiovascular Physiology (Philadelphia, PA: Mosby). ISBN 0-323-01127-6. 
  • Boron, Walter F., Boulpaep, Emile L. (2005). Medical Physiology: A Cellular and Molecular Approach (Philadelphia, PA: Elsevier/Saunders). ISBN 1-4160-2328-3. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]