Xosé Gil Gil

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Xosé Gil Gil
Retrato de Xosé Gil Gil na revista Vida Gallega.
Nascimento 3 de abril de 1870
Barxa, Rubiós, As Neves
(Galiza)
Nacionalidade espanhol
Morte 1 de janeiro de 1937 (66 anos)
Vigo, Galiza
Ocupação Realizador, fotógrafo
Cônjuge Trinidad Sarabia González (c. 1898)

Xosé Gil Gil (As Neves, 3 de abril de 1870Vigo, 1 de janeiro de 1937) foi um fotógrafo e realizador galego.[1][2][3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Gil estabeleceu-se como fotógrafo em Mondariz, a partir de 1899 residiu em Ourense e em 1905 em Vigo, onde foi redator da revista Vida Gallega no momento da sua fundação em 1909 e também diretor artístico. Foi um dos pioneiros do cinema galego, tendo começado a realizar filmes em 1907, que primeiramente eram feitos apenas para publicitar o seu estúdio fotográfico, mas depois começou a realizar documentários centrados em Vigo. Em Vigo era representante dos automóveis estado-unidenses Ford, e organizou na Praça de Touros de Pontevedra, uma corrida onde os carros eram os cavalos dos picadores, Gil fez chegar este filme ao empreendedor estado-unidense Henry Ford que respondeu-lhe com uma carta de felicitação.

Em 1916, Gil tornou-se o primeiro cineasta a rodar um filme de ficção na Galiza: Miss Ledya, com um argumento temático sobre espionagens e perseguições. No filme, rodado na ilha da Toxa, o escritor galego Castelao interpretou o papel do pastor protestante.

Gil inventou também o chamado cinema de correspondência, pois o realizador compreendia a importância das imagens como do correio visual entre a Galiza e a emigração. Utilizados como se fossem cartas ou postais, seus filmes iam e vinham da Galiza até a América do Sul, para os emigrantes de lá assistirem. Nuestras fiestas de allá é a sua obra mais conhecida. Em 1922 fundou a companhia produtora Galicia Cinegráfica que a partir de 1929 realizou o noticiário cinematográfico Revista de Galicia.

O realizador morreu a 1 de janeiro de 1937 e está enterrado no Cemitério de Pereiró, em Vigo, onde uma rua foi batizada com seu nome.[4]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Gil Gil, Xosé» (em galego). Enciclopédia Galega Universal. Consultado em 9 de março de 2016. Cópia arquivada em 1 de julho de 2013 
  2. «Un pioneiro de película» (em galego). Conselho da Cultura Galega. 22 de abril de 2014 
  3. «Gil Gil, José». Grande Enciclopédia Galega Silverio Cañada (em galego e em espanhol). [S.l.]: Grupo El Progreso. 2005. ISBN 84-87804-88-8 
  4. Xil, Lalo Vázquez (1994) [1991]. As rúas de Vigo (em galego) 2.ª ed. Vigo: Ediciones Cardeñoso. p. 175. ISBN 84-87379-47-8 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Xosé Gil Gil
Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.