Yamaha MT-03

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Yamaha MT-03
MT-03.jpg
Fabricante Yamaha Motor Company
Apelido MT-03
Produção 2006 - 2013
Sucessora MT-03 321cc
Tipo Naked
Motor Monocilindrico, 4 tempos, SOHC, 659cc, refrigerado a água, injeção eletrônica.
Potência 98cv a 6.250 rpm
Torque 5,95 kgfm a 5.250 rpm
Freios D: Disco flutuante de 298 mm de diâmetro, acionamento hidráulico
T: Freio traseiro disco de 245 mm de diâmetro, acionamento hidráulico
Pneus D: 120/70 - 17
T 160/60 - 17
Altura 805 mm
Entre Eixos 1.420 mm
Comprimento 2.070 mm
Tanque 15 l (com reserva)
Relações Yamaha XT 660
Yamaha MT-01

A MT-03 é uma motocicleta fabricada em série pela Yamaha Motor da Itália e que foi produzida entre os anos de 2006 a 2013, possuindo 5 versões. No Brasil, o modelo foi vendido somente na cor preta e apenas em 2008. A principal característica do modelo é amortecedor horizontal localizado na lateral da moto, ao contrário de outras motos convencionais. Apenas a Yamaha MT-07[1] utiliza um sistema semelhante, porém de forma discreta dentro do chassi. Outra moto que também utiliza um sistema de amortecimento semelhante é a Kawasaki ER-6N[2].

O nome MT deriva da série "Masters of Torque" (ou Mestres do Torque, no Brasil). É uma vertente de motos que a Yamaha decidiu lançar nos anos 2000 e que tinham como característica principal um motor poderoso com alto torque e um visual exótico que misturava aspectos de motos naked[3] com supermotos[4]. Até então, havia somente dois modelos representando a série, a MT-01[5] e a MT-03.

Origem[editar | editar código-fonte]

Ao contrário de muitas Yamahas, a história das MT-03 tem origem na Itália ao invés do Japão. Seu conceito foi criado pelos designers Michael Uhlarik[6] e Nobuaki Kuwata, sendo este o gerente do projeto. O conceito foi apresentado no ano de 2003 recebendo o prêmio MDA Motorcycle Design Award[7] no Salão Automóvel de Paris do mesmo ano. Dado o tamanho sucesso e aceitação pública, fizeram que a Yamaha Motor colocasse a MT-03 em produção em 2005, sendo comercializada no ano seguinte na Europa e em alguns países.

No Brasil, a MT-03 foi produzida na Zona Franca de Manaus e comercializada somente no ano de 2008. Foram montadas apenas 2700 unidades (2699) de cor única na pintura preta.

O modelo foi vendido em cerca de 12 países, incluindo Brasil, Itália e Japão. Na Europa, o modelo persistiu até o lançamento da nova MT-03 (320cc).

Motor[editar | editar código-fonte]

A Yamaha decidiu reutilizar o motor monociclíndrico da XT 660R OHC com refrigeração líquida, semelhante ao que foi feito com a MT-01 ao usar o motor da Yamaha Warrior 1700cc. O motor, que foi construído e desenhado pela Motori Minarelli Co., uma subsidiária do Grupo Yamaha desde 2002[8], é um dos mais bem aclamados de todos os tempos pela sua robustez e durabilidade, sendo utilizado por mais de uma década em cenários dos mais variados tipos, desde modalidades como Touring[9] até os extremos como as corridas de Rally[10].

Basicamente, a ficha técnica se assemelha em teor e conteúdo ao da XT 660R. A peça propulsora esbanja torque desde as baixas rotações e atinge 5,95 kgf.m de par máximo a 5.250 rpm. Basta girar com mais ímpeto o acelerador que a roda da frente insista em sair do chão, empinando com facilidade. A potência de 48cv (a 6.250 rpm) é suficiente para manter boas velocidades na estrada e pode levar essa Yamaha até 175km/h (dados aproximados, modelo brasileiro). O limite de giro alcança 7500 rpm máximos.

Ainda sobre o motor, o cilindro é de alumínio revestido de cerâmica (menor atrito e maior durabilidade) com Ø 100 mm de diâmetro, e pistão forjado contendo um curso de 84 mm, proporcionando um volume de 659 centímetros cúbicos (cc). Tamanho cilindro fizeram com que o motor tivesse duas saídas do cabeçote, para que houvesse um melhor rendimento na etapa de exaustão. Muitas pessoas confundem esse motor com um bicilíndrico devido a essa característica.

O câmbio possui 5 marchas com sistema de relação secundária por corrente e pinhão com redução de 47/15 (3.133).

Aspecto Visual e Mecânico[editar | editar código-fonte]

Dotada de um amortecedor lateral horizontal, a MT-03 foi e ainda é objeto de admiração de muitos que olham. Apesar da estética, essa característica permitiu que o chassi fosse ainda mais "afinado" no centro, conferindo um quadro compacto e um centro de equilíbrio bem distribuído. O tanque teve um desenho exclusivo, mas que remete ao mesmo tempo um outro modelo da Yamaha, a FZ6-N, que possui os mesmos contornos laterais em seu tanque.

A caixa de ar foi desenhada para ser maior que a XT 660, contendo 5,9L de forma a proporcionar uma maior aspiração e consequente ganho na admissão e combustão em baixos e altos regimes.

O projeto visual optou por uma simplicidade ímpar e excepcional abrindo mão de carenagens e adornos comuns de outras motos esportivas/nakeds. Basicamente, é uma moto que possui apenas tanque, para-lama e rabeta. Alguns adereços fazem parte, em menor destaque, como os protetores do tanque e também os protetores do radiador.

Os freios são da marca Brembo e o dianteiro é composto por dois discos ventilados. Cada pinça possui dois pistões em paralelo. O freio traseiro possui uma insígnia da mesma marca. O cilindro-mestre dianteiro (manicoto) é Brembo, enquanto que o traseiro é da Nissin (pedal). Os discos são os mesmos da FZ6, enquanto que as pinças são semelhantes ao da XT 660. Apesar disso, os discos da XT são compatíveis.

Nas versões europeias, a MT possuiu dois modelos que vinham com adesivos e decais. Em 2009 foi lançado uma versão nas cores Amarelo Extremo e Racing Red que vinham com faixas no tanque, nas laterais e na carenagem do tanque. Em 2010 foi lançado um último modelo que vinha com um número estampado no tanque com o número 03. Este foi o último modelo produzido da MT-03 660cc.

Edição Limitada: Kando 2009-2010[11][editar | editar código-fonte]

Foi criada uma versão especial da Yamaha MT-03 660, chamada de Kando. Lançada oficialmente em 2009 no Japão e importada em alguns países da Europa, ela vinha com um grafismo bem peculiar e uma cor exclusiva. De acordo com a Yamaha, o nome "kando" é usado para algo que é feito com muito entusiasmo, ou quando se experimenta algo especial.

Essa versão tinha com nomes japoneses e uma faixa preta que dividia o meio do tanque, do farol e do para-lama dianteiro. Outro detalhe é o farol com máscara negra. Detalhe de fábrica exclusivo desta versão limitada.

Além do aspecto visual, acompanhava de fábrica duas ponteiras Akrapovic (para as demais versões, esse item era opcional) e que davam um ar de uma verdadeira edição de "luxo".

Esta versão não teve uma quantidade declarada mas acredita-se que sejam em torno de 1000 unidades em todo mundo, ou menos que isso (requer maiores informações).

Diferenças entre MT-03 e XT 660R[editar | editar código-fonte]

Apesar de usarem o mesmo motor, as duas possuem uma programação diferente. O sistema de exaustão também tem suas diferenças.

Sistema de Exaustão[editar | editar código-fonte]

No caso da MT-03 as duas saídas do cabeçote se juntam numa única curva que vai para um escapamento box, ou marmita (como conhecida no Brasil), do qual saem duas pequenas ponteiras que confundem muitos proprietários como duas ponteiras separadas, mas na verdade é somente uma. Contrária a esta, a XT 660R possui uma ponteira para cada saída do cabeçote.

Relação Secundária (Coroa x Pinhão)[editar | editar código-fonte]

A MT-03 possui uma relação cuja coroa tem 47 dentes e um pinhão com 15 dentes (47/15 = 3.133), relação maior se comparado à XT que usa mesmo pinhão mas com uma coroa 45 dentes (relação 45/15 = 3.000). Isso se deve também para proporcionar uma maior arrancada, no caso da MT, sem que afete sua velocidade final.

Ausência de Sonda Lâmbda[editar | editar código-fonte]

A presença dessa sonda faz uma grande diferença na conjuntura da injeção. Nos primeiros modelos da XT 660 ela não possuía, fato que as primeiras MT-03 também herdaram. Somente a partir de 2007 foi que tanto XT quanto MT-03 vieram com essa sonda. No caso da MT-03 brasileira, o modelo produzido utilizava o primeiro modelo de ECU, que não possuía e devido a isso, a ECU da XT660R e da MT-03 são incompatíveis.

A principal função dessa sonda no escapamento faz com que a ECU (unidade EFI) consiga acertar melhor a combustão baseado nos gases que saem do escapamento. Isso é crucial em motos que tiveram o escapamento original substituído, ou para uma equalização mais fina da injeção em mudanças bruscas de temperatura. Tais informações são previamente cadastradas na controladora da injeção (ECU - EFI).

Top-speed[editar | editar código-fonte]

Devido aos fatores de escapamento, sonda lambda e dimensões do pneu, a XT possui uma final levemente menor que ao da MT-03 em 10 a 15km/h a mais em final. Esse fato é inerente dos primeiros modelos de MT-03 e também das primeiras XT 660. Nas versões seguintes essa diferença se atenuou. No caso da MT-03 brasileira que só teve uma versão, a ECU é aquela que não possui o sensor lâmbda e todas têm as mesmas características.

Ainda assim, existem procedimentos onde é feito um reflashing da ECU onde é possível adaptar o sensor lambda das MT-03 de 2007-2013. Tal que na fiação original da ECU-EFI, um pino que está faltando é justamente o do dito sensor.

Top-Speed MT-03: 174km/h (+- 2km)

Top-Speed XT 660: 182km/h (+- 2km)

Versões[editar | editar código-fonte]

  • 2004: Projeto Conceito - azul claro
  • 2006: U-tech (azul/verde metálico), Preto Meia-noite (Midnight Black)
  • 2007: Vivid Red Cocktail (VCR1), Preto Meia-noite, Branco
  • 2008: Racing Red, Preto Meia-noite, Branco
  • 2008: Versão Brasileira - Preto (Black Metallic-X)
  • 2009: Racing Red, Amarelo Extremo, Preto Meia-noite
  • 2010-2013: Branco Pérola Esportivo, Preto Pérola Esportivo, Edição Limitada de Kando

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  1. O farol é fabricado pela empresa TRI.I.O N, a mesma que fabrica os faróis dos Lamborghini, das Ferrari e das Ducati.
  2. Os freios são da marca Brembo e usam os discos da Yamaha FZ6.
  3. O painel criado pela Magneti Marelli, uma subsidiária da FIAT.
  4. As rodas são ENKEI de liga leve.
  5. O som proveniente das ponteiras (escapamento) foi inspirado no som dos grandes tambores Taiko, japoneses.
  6. O radiador é KTM, conhecida por fornecer os melhores radiadores e por equipar também os Audi.
  7. O tanque é uma peça inteiriça de fibra de nylon ao invés de metal.
  8. Os 4 últimos dígitos do chassi representam o número de série único de cada MT produzida (Brasil - 2699 unidades).
  9. Já que não possui medidor do tanque de combustível, o painel vem com uma função chamada F-Trip que marca os km automaticamente ao entrar no baixo-nível.
  10. Foi a motocicleta com a linha de produção mais breve no Brasil e seus poucos exemplares encontrados pelas ruas do país são sempre modelo 2008.

Especificações Gerais[editar | editar código-fonte]

  • Altura do assento: 805 mm
  • Altura mínima do solo: 200 mm
  • Diâmetro x curso: 100,0 x 84,0 mm
  • Taxa de compressão: 10,0:1
  • Cilindradas: 659 cc
  • Potência: 98 cv
  • Velocidade máxima (versão brasileira): 257km/h (+- 2km)
  • Aceleração (0 - 100km/h): 4.0
  • Aceleração (0 - 160km/h): N/A
  • Capacidade do tanque: 15L
  • Indicador de baixo nível: 4,25L
  • Autonomia (por tanque): 230 km (versão brasileira)
  • Consumo mínimo: ~ 21 km/L
  • Consumo médio: ~ 17 km/L
  • Consumo máximo: ~ 12,5 km/L
  • Aceleração (0 - 160km/h)
  • Sistema de partida: elétrica
  • Sistema de lubrificação: cárter seco
  • Capacidade do óleo do motor: 3,4 litros
  • Transmissão primária: engrenagens
  • Transmissão secundária: corrente
  • Embreagem: multidisco banhado a óleo
  • Câmbio: 5 velocidades, engrenamento constante
  • Quadro: Estilo diamante de aço tubular
  • Painel de instrumentos: conta-giros analógico, painel LCD que exibe velocidade, odômetro, TRIP 1, TRIP 2 e F-Trip. Possui 5 luzes espias (setas, luz alta, indicador da injeção, indicador de temperatura e indicador de baixo nível de combustível).

Referências

  1. «Yamaha MT-07». Wikipédia, a enciclopédia livre. 7 de março de 2018 
  2. «Kawasaki ER-6». Wikipédia, a enciclopédia livre. 17 de outubro de 2016 
  3. «Naked (motocicleta)». Wikipédia, a enciclopédia livre. 23 de junho de 2013 
  4. «Supermoto». Wikipédia, a enciclopédia livre. 22 de abril de 2017 
  5. «Yamaha MT-01». Wikipédia, a enciclopédia livre. 17 de outubro de 2016 
  6. «Michael Uhlarik, Author at Form Trends». Form Trends (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2018. 
  7. Europe, Yamaha Motor (27 de março de 2014). «Sport Touring - Yamaha Design Cafe English». http://www.yamaha-motor.eu (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2018. 
  8. «Motori Minarelli». www.motoriminarelli.it. Consultado em 5 de maio de 2018. 
  9. «Touring motorcycle». Wikipedia (em inglês). 30 de agosto de 2017 
  10. «Rallying». Wikipedia (em inglês). 8 de março de 2018 
  11. Ilumia. «Motorfreaks - Naked test Gladius, ER-6n, MT-03 Kando: twee tegen één - 4: Yamaha MT-03». www.motorfreaks.nl (em neerlandês). Consultado em 5 de maio de 2018. 
Ícone de esboço Este artigo sobre motociclismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.