Yamaha RX 180

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
RX 180
Yamaha RX 180 1982
Fabricante Yamaha
Produção 1980-1985
Tipo Moto Custom
Motor 176,4cc3, monocilíndrico, 2 tempos refrigerado à ar
Potência 17,6cv SAE a 7.500rpm
Torque 1,6 kgfm SAE a 6.500 rpm
Transmissão 5 marchas
Suspensão D: Garfo Telescópico (Ceriani)
T: Braço Oscilante Triangular.
Freios D: Disco com acionamento hidráulico com pistão simples;
T: Sistema de tambor de acionamento mecânico.
Pneus D: 2,75s X 18";
T: 3,25s X 18"
Tanque 12L com reserva de 2,5L

A Yamaha RX 180 foi uma motocicleta estilo custom fabricada pela yamaha em diversos lugares do mundo.

Histórico[editar | editar código-fonte]

Lançada em 1980 com estilo Custom, a RX 180 Custom foi a motocicleta maior e mais potente produzida pela Yamaha no Brasil entre 1980 e 1985, quando teve sua produção encerrada. Utiliza motor 2 tempos, como as outras motocicletas da Yamaha produzidas no Brasil na época. Seu estilo é uma cópia do modelo norte-americano, com guidão alto e largo, banco em dois níveis e principalmente pelo seu tamanho igual a uma moto de 250cc3. Possui boa estabilidade e ótimo conjunto de freios, bem como uma confortável posição de dirigir. O formato largo do tanque de combustível, do tipo tear drop (em forma de gota d'água), é o que mais se destaca na RX 180 Custom. O uso do guidão alto, não sugere uma boa solução estética, mas permite boa maneabilidade da moto e possibilita boa posição de dirigir junto ao assento.
Os comandos manuais do guidão são bem localizados: à esquerda ficam os botões que acionam o farol alto e baixo, os piscas direcionais e a buzina; do outro lado a manopla do acelerador e o reservatório de do fluido do freio a disco dianteiro. No centro do guidão fica o painel com chave de ignição, e os mostradores do acionamentos dos piscas (amarelos), do farol alto (azul) e do ponto morto do câmbio (verde).
O painel é completado do lado esquerdo pelo velocímetro, que marca até 160 km/h, e tem apenas um hodômetro total; do lado direto está o Tacômetro, que registra até 12.000 RPM, com faixa vermelha a partir de 9.000 RPM. Os piscas são maiores e mais largos que os da Yamaha RX 125 e ficam mais afastados do corpo da moto, oferecendo melhor visibilidade.
Um dos grandes alvos da crítica foi o ruído excessivo do motor em funcionamento. Mostrou-se muito barulhenta mesmo em baixas rotações de trabalho, gerando desconforto ao piloto e principalmente ao carona. O Câmbio de 5 marchas é o mesmo da Yamaha RX 125, o que facilita a manutenção. Todavia apresenta-se muito curto e com marchas muito próximas, o que não prejudica o desempenho da RX 180 Custom, mas exige trocas mais constantes de marcha.
Possui ótima autonomia, de aproximadamente 300 km com o tanque de 12 litros. A estabilidade da moto merce, com um ótimo acerto de conjunto de suspensão (com garfo dianteiro Ceriani) e principalmente pelo ótimo conjunto de freios, que sempre pára a motocicleta em espaços curtos e sem riscos de travamento.
Um grande desta motocicleta foi a ignição transistorizada utilizando C.D.I., que dispensa platinado. A grande maioria das motocicletas da época utilizava platinado, peça que exige grande manutenção e é de pouca confiabilidade. Como a RX 180 dispensa o uso de platinado, mostrou-se extremamente confiável e de bom desempenho, pois o C.D.I. impede que o motor "flutue" em altas rotações.

RX 180 Avant[editar | editar código-fonte]

Uma versão mais simples e com menos itens de série em relação à Custom. Foi lançada no mercado como uma opção mais acessível, mas com mesmo motor, desenho e desempenho. Não possui freio dianteiro à disco, a suspensão dianteira tem molas externas no modelo 1981 (passando a ser igual à da Custom no ano seguinte). Utiliza o mesmo motor 2 tempos de 176,4cc3 com 17,6cv.

Desempenho e economia[editar | editar código-fonte]

De desempenho superior à Yamaha RX 125, mostra-se muito ágil e veloz, proporcionando segurança e conforto em ultrapassagens. Mas a RX 180 mostra outro grande atributo: economia. Apesar do consumo de combustível do Motor a dois tempos ser superior ao Motor quatro tempos, mostrou-se muito econômica e eficiente, com bom torque em baixas rotações.
Velocidade máxima: 140 km/h [1]
Aceleração de 0 a 100 km/h: 18,32 segundos [1]
Consumo em estrada e cidade: 28,32 km/l [1]
Consumo de óleo 2 Tempos: 584,72 km/l [1]
Aceleração 0–40 km/h: 3,12s [1]
Aceleração 0–60 km/h: 5,57s [1]
Aceleração 0–80 km/h: 9,2s [1]
Aceleração 0–100 km/h: 18,32s [1]
Retomada de velocidade 40–60 km/h: 7,5s [1]
Retomada de velocidade 40–80 km/h: 14,4s [1]
Retomada de velocidade 40–100 km/h: 24,56s [1]
Espaços de frenagem 40 km/h: 6,1m [1]
Espaços de frenagem 60 km/h: 14,7m [1]
Espaços de frenagem 80 km/h: 35,4m [1]
Espaços de frenagem 100 km/h: 49,5m [1]

Características técnicas[editar | editar código-fonte]

Motor[editar | editar código-fonte]

Motor: Monocilíndrico, 2 Tempos, refrigerado à ar, não possui Torque Induction.
Cilindro: em ferro fundido com camisa de aço inclinado para frente.
Cilindrada: total de 176,4cc3, pistão de 64,5mm de diâmetro com 54mm de curso.
Taxa de compressão: 7 : 1.
Carburador: Mikuni de fluxo horizontal com 24mm de venturi.
Ignição: Sistema de ignição eletrônica, utiliza C.D.I. Fonte de carga da bateria provém do magneto. Sistema de partida primária do motor à pedal.
Lubrificação: Injeção direta de óleo 2 Tempos no carburador por meio de bomba autolube. Capacidade de óleo do cárter de 0,7 litros. Capacidade do reservatório do óleo 2 tempos de 1,5 litros.
Filtro de ar: Espuma de poliuretano úmido com óleo 2 tempos.

Transmissão[editar | editar código-fonte]

Sistema de redução primária: Por engrenagem.
Relação de redução primária: 74/19 (3,895).
Sistema de redução secundária: Por corrente.
Relação de redução secundária: 35/16 (2,188).
Embreagem: Banhada a óleo.
Tipo de caixa de marchas: Engrenamento constante, 5 marchas à frente.
Sistema de operação: Operação com pedal do lado esquerdo.

Relação de transmissão:
1ª (Primeira): 2,833
2ª (Segunda): 1,875
3ª (Terceira): 1,368
4ª (Quarta): 1,091)
5ª (Quinta): 0,916

Dimensões e pesos[editar | editar código-fonte]

Comprimento total: 1.905mm
Largura total: 865mm
Altura total: 1.150mm
Distância entre eixos: 1.270mm
Vão livre mínimo: 175mm
Ângulo de inclinação: 62° 30'
Avanço: 95mm
Peso: Líquido (seco) de 99 kg.
Raio de giro mínimo: 2.140mm

Pneus
Dianteiro: 2,75 X 18'; pressão de 23 libras/Pol2.
Traseiro: 3,00 X 18'; pressão de 28 libras/Pol2.

Suspensão
Dianteira: Garfo telescópico (Ceriani)
Traseiro: Braço oscilante triangular

Amortecedores
Dianteiro: Mola helicoidal e amortecedor hidráulico incorporado.
Traseiro: Amortecedor hidráulico com mola helicoidal.

Instalação e equipamentos elétricos[editar | editar código-fonte]

6 volts com bateria, Ignição transistorizada tipo CDI.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o Charles Marzanasco Filho (1982). «Teste exclusivo RX 180 Custom». Revista 4 Rodas - Moto Edição Especial Nº 248A, ano XXI  Verifique data em: |acessodata= (ajuda);