Zianidas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Zianidas
Reino de Tremecém
Flag of the Kingdom of Tlemcen 1338-1488.png
Estado: Reino de Tremecém
Títulos: Emir de Tremecém
Fundador: Iaguemuracém ibne Ziane
Último soberano: Haçane ibne Abdalá II
Ano de fundação: 1235
Ano de dissolução: 1556
Etnia: Bérbere zeneta
Território do Reino de Tremecém em sua maior extensão

Zianidas (em árabe: زيانيون; transl.: Ziyānyūn), Abdaluadidas[1] (em árabe: بنو عبد الواد; transl.: Bānu ʿabd āl-Wād) foram uma uma dinastia bérbere zeneta[2] que governou o Reino de Tremecém, uma área no noroeste da atual Argélia, centrado em Tremecém, cujo território estendeu-se da cidade até o rio Chelife e Argel, e alcançou em seu apogeu o rio Mulucha a oeste, Sijilmassa a sul e o rio Soummam a oeste.[3][4] O governo deles durou de 1235 até 1556.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Reino de Tremecém

Sob o colapso da autoridade do Califado Almóada em torno de 1236, o Reino de Tremecém tornou-se independente sob o governo dos zianidas de Iaguemuracém ibne Ziane.[6] Ibne Ziane foi capaz de manter controle sobre os grupos bérberes rivais, e quando enfrentou a ameaça exterior do Império Merínida, formou uma aliança com o emir de Granada e o rei de Castela, Afonso X (r. 1252–1284).[7]

Após a morte de ibne Ziane, o sultão merínida Abul Haçane Ali (r. 1331–1348) sitiou Tremecém por 8 anos (1337–48) e finalmente capturou-a. Após um período de auto-controle, ela foi capturada novamente pelos merínidas de Abu Inane Faris (r. 1348–1358) de 1352 a 1359.[7] Os merínidas reocupou-a periodicamente, particularmente em 1360 e 1370.[3] Em ambos os casos, os merínidas descobriram que eram incapazes de manter a região contra a resistência local,[8] embora estes episódios parecem ter marcado o começo do fim dos zianidas.

No século XV, tentou-se uma expansão para leste, mas ela provou-se desastrosa, e como consequência destas incursões eles estiveram tão enfraquecidos pelos próximos dois séculos, que o Reino de Zianida foi intermitentemente um vassalo do Reino Haféssida, do Marrocos merínida, ou Aragão.[8] Quando os espanhóis tomaram a cidade de Orã do reino em 1509,[9] a continua pressão dos bérberes levou os espanhóis a tentarem um contra-ataque contra a cidade de Tremecém em 1543, que foi considerado pelo papado para ser uma cruzada. A tentativa espanhola de tomar a cidade falhou no primeiro ataque, embora a vulnerabilidade estratégica de Tremecém levou os atacantes a mudarem seus esforços para a mais segura e fortemente fortificada base corsária em Argel.

Em 1554, o Reino de Tremecém tornou-se um protetorado do Império Otomano, que mais tarde depôs os zianidas e anexou o país à Regência de Argel.[10][11] A queda deste reino, que nunca foi um inimigo formidável, pode ser relacionada a uma série de razões. Primeiro, eles não tinham uma unidade cultura e geográfica. Eles também constantemente enfrentavam questões internas, e não tinham fixado fronteiras, e finalmente e mais importante foi o fato de que dependiam dos nômades árabes como exército.[7]

Lista de governantes[editar | editar código-fonte]

Primeira conquista merínida - 1337–1348 (o governante merínida foi Abul Haçane Ali)

Segunda conquista merínida - 1352–1359 (o governante merínida foi Abu Inane)

Guerra Civil - 1427–1429

Conquista saadita - 1543–1544

Referências

  1. Amaral 2007, p. 60; 493.
  2. «Zayanids» (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2014 
  3. a b «The Abdelwadids (1236-1554)» (em inglês). Consultado em 27 de outubro de 2014 
  4. Simon 2011, p. 175.
  5. Naylor 2009, p. 98.
  6. Ruano 2006, p. 309.
  7. a b c Goetz 2010, p. 16.
  8. a b Hrbek 1997, p. 34-43.
  9. Naylor 2006, p. 370.
  10. Allen 2009, p. 276.
  11. Melton 2014, p. 1106.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Allen, Roger M. A.; Joseph Edmund Lowry, Devin J. Stewart (2009). Essays in Arabic Literary Biography: 1350-1850. [S.l.]: Otto Harrassowitz Verlag. ISBN 3447059338 
  • Amaral, Augusto Ferreira do (2007). Mazagão: a epopeia portuguesa em Marrocos. Lisboa: Tribuna 
  • Goetz, Philip W. (2010). «Abd al-Wadid». Encyclopedia Britannica. I: A-Ak - Bayes. Chicago: Encyclopedia Britannica, Inc. ISBN 978-1-59339-837-8 
  • Hrbek, I. (1997). «The disintegration of political unity in the Maghrib». In: Joseph Ki-Zerbo & Djibril T Niane. General History of Africa, vol. IV: Africa from the Twelfth to the Sixteenth Century. [S.l.]: UNESCO; James Currry Ltd.; University California Press 
  • Melton, J. Gordon (2014). Faiths Across Time: 5,000 Years of Religious History. [S.l.]: ABC-CLIO. ISBN 1610690265 
  • Naylor, Phillip Chiviges (2006). Historical Dictionary of Algeria. [S.l.]: Scarecrow Press. ISBN 0810864800 
  • Naylor, Phillip Chiviges (2009). North Africa: a history from antiquity to the present. [S.l.]: University of Texas Press 
  • Ruano, Delfina S. (2006). «Hafsids». In: Josef W Meri. Medieval Islamic Civilization: an Encyclopedia. [S.l.]: Routledge 
  • Simon, Jacques (2011). L'Algérie au passé lointain: de Carthage à la régence d'Alger. [S.l.]: Harmattan. ISBN 2296139647 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Zianidas