Zillur Rahman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Zillur Rahman
Nome nativo জিল্লুর রহমান
Nascimento 9 de março de 1929
Bhairab
Morte 20 de março de 2013 (84 anos)
Singapura
Cidadania Bangladesh, Índia britânica, Paquistão
Alma mater Universidade de Daca
Ocupação político
Religião Islão

Zillur Rahman (em bengali: মোঃ জিল্লুর রহমান; upazila de Bhairab, 9 de março de 1929Singapura, 20 de março de 2013) foi o presidente da República Popular do Bangladesh entre 2009 e a data da sua morte. Foi membro sénior do presídio da Liga Popular de Bangladesh (Liga Awami).[1] Foi declarado o décimo-nono presidente pela Comissão Eleitoral de Bangladesh a 11 de fevereiro de 2009, quando nenhum outro candidato se apresentou, dado que a Liga Popular de Bangladesh detinha a maioria dos asssentos do parlamento desde as eleições legislativas de 2008. Tomou posse a 12 de fevereiro de 2009.

Origens e educação[editar | editar código-fonte]

Zillur Rahman nasceu a 9 de março de 1929 na upazila de Bhairab, distrito de Kishoreganj. Seu pai, Meher Ali Mian, era um conhecido advogado. Em 1945, foi aceite a sua matrícula no Bhairab K. B. High School. Completou o curso de Artes Intermédias em 1947, na universidade intermédia de Daca. Licenciou-se em Direito e completou um mestrado em História, ambos na Universidade de Daca.

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Rahman participou no Movimento da Língua Bengalesa de 1952.

Nas eleições paquistanesas de 1970, candidatou-se pela Liga Popular de Bangladesh, tendo sido eleito membro do parlamento do Paquistão - país ao qual Bangladesh se encontrava integrado. Durante a Guerra de Independência de Bangladesh (1971), Rahman participou ativamente do governo bengalês no exílio. Em 1972, logo após o fim da guerra, Rahman tornou-se secretário-geral da Liga Popular de Bangladesh. Nas eleições gerais de 1973, foi eleito membro do parlamento. Depois do assassinato do Sheikh Mujibur Rahman, Zillur Rahman foi preso pela junta militar, passando subsequentemente quatro anos detido.

Entre 1996 e 2001, Zillur Rahman serviu como ministro no governo da Liga Popular de Bangladesh, .

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Rahman foi casado com Ivy Rahman, que ocupava o cargo de Secretária para os Assuntos Femininos da Liga Popular de Bangladesh. Ela foi morta em 2004, na cidade de Daca, durante um ataque com granadas, perpetrado por terroristas do Harkat-ul-Jihad al-Islami.[2][3][4]

Morte[editar | editar código-fonte]

Zillur Rahman faleceu em 20 de março de 2013, num hospital de Singapura, onde estava a ser tratado de problemas respiratórios e renais.[5]

Referências

  1. «Zillur Rahman declared new President of Bangladesh» (em inglês). Press Trust of India. 11 de fevereiro de 2009. Consultado em 25 de abril de 2012. 
  2. «Zillur Rhaman» (HTML). Xinhua News, China's Online Newspaper 
  3. «Country crippled in hartal, Rail links collapse; cops club CPB leader Selim; today's hartal curtailed to 1pm». The Daily Star. 25 de agosto de 2004 
  4. «7 years and counting, Aug 21, 2004 grenade attack cases stall at Speedy Trial Tribunal». bdnews24.com 
  5. expresso.pt. «Presidente do Bangladesh morreu». Consultado em 20 de março de 2013. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Iajuddin Ahmed
Presidente do Bangladexe
20092013
Sucedido por
Abdul Hamid
Interino