Zonas Econômicas Especiais da China

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Localização das Zonas Econômicas Especiais na China.

As Zonas Econômicas Especiais da China constituem o principal mecanismo de abertura da economia chinesa. Foram criadas em 1982-1987 junto ao litoral. As ZEEs são cidades litorâneas que tiveram que se adaptar para receber empresas internacionais.

Base de formação e consolidação das ZEES ou ZPEs[editar | editar código-fonte]

  • Abertura de mercado ao capital estrangeiro
  • Proximidades das áreas portuárias e urbanas.
  • Produção industrial diversificada e voltada especialmente para as exportações.
  • Foram apoiadas por um conjunto de infra-estrutura que permitissem a entrada do capital financeiro.
  • Mão de obra barata e abundante.
  • Assumem o modelo econômico: economia de mercado.
  • Isentos de impostos.
  • Os salários das empresas que ali se instalam devem ser mais altos do que os pagos no restante da China.

Um dos principais fatores que permitiram a arrancada da produção industrial na China foi a criação das chamadas Zonas Econômicas Especiais (ZEEs), assim como a abertura de importantes cidades portuárias abertas ao capital externo. Constituem zonas de livre comércio, estabelecidas por meio de uma legislação mais flexível, com a redução ou até mesmo a isenção de impostos. Essas medidas visam atrair investimentos estrangeiros e absorver as inovações tecnológicas desenvolvidas nos países mais avançados.

As ZEEs e as cidades portuárias tornaram-se alvo de grandes investimentos realizados, sobretudo, por japoneses e norte-americanos. Os investidores também são atraídos pela existência de outras condições favoráveis, como o baixo custo da mão de obra e o gigantesco mercado consumidor chinês, que se apresenta como uma excelente oportunidade para o crescimento das empresas

Entre 1980 e 1984 o governo da República econômicas especiais com leis próprias no que toca à iniciativa econômica de particulares que se afastam da então rigidez do regime comunista no resto do território chinês. Estas foram estabelecidas em Shantou, Shenzhen, e Zhuhai, todas na província de Guangzhou e em Xiamen, na província de Fujian bem como a ilha inteira que constitui a província de Hainan.

A partir dessa altura, o governo abriu outras cidades costeiras ao investimento estrangeiro: Dalian, Qinhuangdao, Tianjin, Yantai, Qingdao, Lianyungang, Nantong, Xangai, Ningbo, Wenzhou, Fuzhou, Guangzhou, Zhanjiang, e Beihai - todas em 1984; Península de Liaodong, Província de Hebei (que rodeia Pequim e Tianjin), Península de Shandong, Delta do Rio Yangtze, Triângulo Xiamen-Zhangzhou-Quanzhou no Sul da Província de Fujian, Delta do Rio das Pérolas, e Guangxi - todas entre 1985 e 1990.

Em 1990 o governo abriu a nova zona de Pudong bem como mais cidades ao longo do vale do Rio Yangtzé ao investimento estrangeiro e desde 1992 que todas as capitais das províncias e regiões autónomas e ainda umas quantas cidades costeiras e fronteiriças sofreram a mesma abertura.

As principais Zonas Econômicas Especiais são: Shenzhen, Zhuhai, Shantou, Xiamen e Província de Hainan.

Referências[editar | editar código-fonte]

Boligian, Levon; Martinez, Rogério; Garcia, Wanessa; Alves, Andressa. Geografia - Espaço e Vivência. São Paulo: Atual, 2009.