Zungária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Divisão simplificada de Sinquião, ao norte Zungária (em vermelho) e ao sul a Bacia do Tarim (em azul)
Mapa do relevo da região que mostra a "Zungária" entre "Altai" e "Tienschan" e o "Balcache" a oeste

Zungária[1] ou Beijiangue (em chinês: 北疆; romaniz.: Běijiāng (pinyin)) é uma bacia hidrográfica no norte de Sinquião, noroeste da China.

História[editar | editar código-fonte]

A bacia está localizada ao sul da Cordilheira de Altai e ao norte da Cordilheira Tian Shan (mais precisamente ao norte das Montanhas Borohoro e Eren Habirga). Ao leste, a bacia é delimitada pelas Montanhas Baytag Bogd (Baytik) e Bogda, o limite ocidental da bacia é definida pelas Montanhas Alatau e Tarbagatai (Ta'erbahatai), que separam essa bacia da depressão do Lago Balcache no Cazaquistão.

A principal passagem a oeste é pelo Portão Zungariano, o que liga o Lago Alakol ao Lago Balcache no Cazaquistão, e foi uma das variantes terrestres da Rota da Seda.[2] No extremo norte o rio Irtixe conduz água para o Lago Zaysan através da fronteira com Cazaquistão.

Parte da região é uma bacia endorreica, com os rios que provém das Montanhas Altai que chegam ao Lago Jili e escoam para os Lagos Manasi e AiBi (Ebinur) em uma depressão ao sudeste do Portão Zungariano.

A área é muito seca e recebe apenas cerca 150-300 mm de precipitação por ano, além disso experimenta grandes extremos de temperatura. As montanhas em redor, no entanto, recebem precipitação muito maior, e muitas das faixas do norte e nas Montanhas Altai são cobertas por florestas. A parte centro-leste da bacia é um deserto (Gobi Zungariano que não é totalmente estéril. Em torno dele há estepes e semiestepes irrigadas por rios temporários que muitas vezes acabam em pântanos salinos.

Maior parte da população é da etnia uigur, além disso há pessoas de etnias turcas e mongóis. Existem pessoas da etnia han que trabalham em indústrias ou nos oásis do sul e em fazendas estatais.[3]

Referências

  1. Cruz 1952, p. 110.
  2. The Marco Polo Arquivado em 17 de fevereiro de 2015, no Wayback Machine., em inglês, acesso em 17 de fevereiro de 2015.
  3. Junggar Basin, em inglês, acesso em 17 de fevereiro de 2015.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Cruz, Antônio da (1952). Prosódia de nomes próprios pessoais e geográficos. Petrópolis: Editora Vozes