Épico de Manas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Épico de Manas (em quirguiz: Манас) é um poema épico tradicional do povo quirguiz que data do século XVIII, embora seja possivelmente mais antigo. O governo do Quirguistão celebrou o milésimo aniversário de seu autor, Manas, em 1995; o herói epônimo de Manas e seu inimigo oirate Joloy foram mencionados pela primeira vez num manuscrito persa que data de 1792-3.1 Em pelo menos uma de suas dezenas de iterações, o poema consiste de aproximadamente 500.000 versos; enquanto historiadores quirguizes consideram-no o mais longo poema épico da história,2 o épico sânscrito Maabárata e o Épico do Rei Gesar tibetano são mais longos.3 A diferença estaria no número de versos; Manas tem mais versos, embora sejam mais curtos que os das outras obras.

O épico conta majoritariamente das batalhas dos quirguizes com chineses e calmucos, e da vida de Manas, seu filho Semetei e seu neto Seitek. Apesar de ter sido provavelmente originado em meados do século XV, Manas só foi posto em forma escrita em 1885.

Manas é uma obra clássica da literatura quirguiz, e partes dele são comumente recitadas por trovadores chamados Manaschis (em quirguiz: Манасчы). De acordo com a lenda, as pessoas se tornam Manaschis após terem um sonho com os personagens do épico dizendo que elas devem seguir a profissão. Senão, elas podem ficar aleijadas ou doentes, ou até morrerem.

Existem mais de 65 variantes do poema atualmente. A influência de Manas no Quirguistão é tão grande que o principal aeroporto do país recebe seu nome. "Manas" também é o nome de uma ordem militar no Quirguistão, assim como o nome de um planeta, descoberto em 1979 pelo astrônomo soviético Nikolai Stepanovich Chernykh.

Referências

  1. Tagirdzhanov, A. T. 1960. "Sobranie istorij". Majmu at-tavarikh, Leningrado.
  2. Урстанбеков Б.У., Чороев Т.К. Кыргыз тарыхы: Кыскача энциклопедиялык сөздүк: Мектеп окуучулары үчүн. – Ф.:Кыргы. Совет Энциклопедиясыныны Башкы Ред., 1990. 113 б. ISBN 5–89750-028-2
  3. Amartya Sen, The Argumentative Indian. Writings on Indian Culture, History and Identity, Londres: Penguin Books, 2005.
Ícone de esboço Este artigo sobre crónicas ou sagas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.