Associação Espírita Beneficente Dr. Adolfo Bezerra de Menezes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção necessita de referências de fontes secundárias fiáveis publicadas por terceiros.
Por favor, melhore-o, incluindo referências mais apropriadas vindas de fontes fiáveis e independentes.
Fontes primárias, ou que possuem conflito de interesse geralmente não são suficientes para se escrever um artigo em uma enciclopédia.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing.

A Associação Espírita Beneficente Dr. Adolfo Bezerra de Menezes é uma instituição espírita que possui em suas instalações o centro espírita e o abrigo de idosos, fundada em 15 de janeiro de 1941.

História[editar | editar código-fonte]

Bezerra de Menezes, patrono da Associação Espírita.

A fundação do centro espírita se deu por vontade inicial de José Bacelar, pedreiro humilde, mineiro de Belo Horizonte, que havia tentado algo parecido ainda em Minas Gerais, mas encontrou na cidade de São Paulo o clima favorável ao seu intento. Junto de outros idealistas, fundaram um entro espírita em imóvel alugado, situado na rua Caquito, no bairro da Penha. Foi adotado como patrono o espírita Bezerra de Menezes, um dos pilares da doutrina no Brasil.

Como o movimento da casa aumentou consideravelmente desde a fundação, José Bacelar decidiu por mudar para uma sede própria em 1942, e com muito esforço de todos os trabalhadores, conseguiram juntar dinheiro suficiente para compra de terreno na rua Omachá, também na Penha, mediante apresentações de teatro feita pelos trabalhadores e pedidos de doações aos freqüentadores e simpatizantes da causa.. Com esta aquisição, puderam iniciar também a construção de um prédio destinado ao amparo de idosos, obra que foi terminada apenas em 1946, exigindo grande mobilização de todos os envolvidos. Em 25 de dezembro de 1946 o abrigo à velhice desamparada foi finalmente fundado.

Ampliação da Casa[editar | editar código-fonte]

A Associação crescia. Em abril de 1963 foi inaugurada a sede social da Associação, na rua D. Vicentina Alegretti, 293 – 1º andar, esquina com a rua Francisco Amaral. Durante a gestão da presidente Rosa Maria Placo, foi fundado o Cine Paz, onde hoje é o auditório do Centro, com recursos doados por personalidades como José Ermínio de Moraes, Augusto Gonçalves e José Ferraz de Camargo. O cinema foi então arrendado a um empresário, que tentou por todos os meios tornar viável o seu funcionamento. Sem sucesso. Com o passar do tempo as apresentações se tornaram insustentáveis, era maior o prejuízo que o lucro, decidindo-se por isso o encerramento das projeções e o aproveitamento do auditório, para outros fins, como os atuais, onde existe um auditório próprio para as reuniões doutrinárias e outros eventos.

No prédio da rua Vicentina Alegretti esquina com a Rua Francisco Amaral, em 1963, foram instalados um bazar, a administração, rouparia, salão de festas, lavanderia, barbearia, sanitários, consultório médico e enfermaria. Nessa época a Associação já atendia 150 idosos e inválidos de ambos os sexos, sem distinção de cor, raça ou religião.

Em 1976, no dia 8 de agosto, teve início a Escola de Moral Cristã. Nesta mesma época, a Associação recebeu a doação de um terreno no município de Itaquaquecetuba, bairro do Pequeno Coração, onde no dia 27 de março de 1977 foi criado o Grupo de Assistência Social José Bacelar, para atender as famílias da região.

Em 27 de agosto de 1978, foi inaugurado o Departamento de Assistência Social Meimei, para dar atendimento às famílias carentes da região de São Miguel Paulista. Este departamento era constituído pelo Centro Espírita Meimei, e possuía cozinha, refeitório, departamento médico e de enfermagem, gabinete odontológico e mais o suficiente para atender os que acorriam àquela entidade na época, e hoje conta com uma creche no local.

A Associação é mantida por um quadro de sócios-contribuintes; donativos de variada espécie; três bazares beneficentes (roupas, calçados, utilidades em geral); duas livrarias; uma lanchonete; campanhas de rua (com destaque para a Campanha da Fraternidade Auta de Souza e a Campanha do Quilo); pedágios; festas beneficentes; um ativo serviço de telemarketing e algumas raras e pequenas subvenções oficiais.[1] . Em 2005 a Associação recebeu o Prêmio Bem Eficiente, da Fundação Kanitz e Associados, colocando-a entre as 50 melhores entidades beneficentes do Brasil.[2]

Referências