Batalha de Nova Orleães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Nova Orleães
Guerra anglo-americana de 1812
The Battle of New Orleans. January 1815. Copy of engraving by H. B. Hall after W. Momberger., ca. 1900 - 1982 - NARA - 531091.tif
A Batalha de Nova Orleães por Henry Bryan Hall
Data 8 de janeiro de 1815
Local Cerca de 8 km ao sul de Nova Orleães, Luisiana
Resultado Vitória americana decisiva;[1] tropas e frotas britânicas se retiraram da Luisiana
Combatentes
 Reino Unido  Estados Unidos
Comandantes
Sir Alexander Cochrane
Sir Edward M. Pakenham
John Keane
John Lambert
Andrew Jackson
William Carroll
John Coffee
Jean Lafitte
Forças
11.000 4.000
Baixas
23 de dezembro:
46 mortos
167 feridos
64 desaparecidos
Total: 277[2]
8 de janeiro:
291 mortos
1267 feridos
484 desaparecidos
Total: 2042[3]
Outros dias:
49 mortos
87 feridos
4 desaparecidos
Total: 140[4]
Total: 386 mortos,1.521 feridos e 552 desaparecidos
Total Geral: 2.459
23 de dezembro:
24 mortos
115 feridos
74 desaparecidos
Total: 213[5]
8 de janeiro:
13 mortos
39 feridos
19 desaparecidos
Total: 71[6]
Outros dias:
18 mortos
31 feridos
Total: 49[7]
Total:
55 mortos
185 feridos
93 desaparecidos
Total geral: 333[6]

A Batalha de Nova Orleães ocorreu em 8 de janeiro de 1815 e foi a grande batalha final da Guerra de 1812.[8] As forças americanas, comandadas pelo general Andrew Jackson, derrotaram uma invasão do exército britânico, que tinha a intenção de tomar Nova Orleães e o vasto território que os Estados Unidos haviam adquirido com a compra da Louisiana.[9] [10] [11] O Tratado de Ghent foi assinado em 24 de dezembro de 1814 e ratificado pelo Senado dos Estados Unidos em 16 de fevereiro de 1815. No entanto, despachos oficiais anunciando a paz não alcançariam os combatentes até final de fevereiro.[12] [13] A batalha é amplamente considerada como a maior vitória dos Estados Unidos na Guerra de 1812.

Batalha do Lago Borgne[editar | editar código-fonte]

Mapa do século XVIII, mostrando o sudeste da Luisiana.

Em 12 de dezembro de 1814, uma grande frota britânica sob o comando de Alexander Cochrane com mais de 8.000 soldados e marinheiros a bordo, havia ancorado no Golfo do México ao leste do Lago Pontchartrain e do Lago Borgne.[14] Uma frota americana impediu o acesso britânico aos lagos, comandado pelo tenente Thomas ap Catesby Jones, composta por cinco canhoneiras. Em 14 de dezembro, cerca de 1.200 marinheiros britânicos da Royal Marines sob comando do capitão Nicholas Lockyer[15] partiram para o ataque. Lockyer e seus homens navegavam em 42 botes, cada um armado com uma pequena carronade. 17 marinheiros britânicos foram mortos e 77 feridos,[16] enquanto seis americanos foram mortos, 35 feridos e 86 capturados.[16] Os feridos incluíam tanto Catesby e Lockyer. Agora livres para navegarem no Lago Borgne, milhares de soldados britânicos, sob o comando do General John Keane, remaram até a Ilha Pea, a cerca de 48 km a leste de Nova Orleans, onde estabeleceram uma guarnição.[17]

Ataque de 23 de dezembro[editar | editar código-fonte]

Na manhã de 23 de dezembro, uma tropa de 1.800 soldados britânicos comandada por John Keane alcançaram a margem leste do Rio Mississippi, a 14 km ao sul de Nova Orleães.[18] Keane poderia ter atacado a cidade, avançando por algumas horas até a estrada do rio, que era indefesa durante todo o caminho até Nova Orleans, mas ele tomou a decisão fatídica de acampar em Plantation Lacoste[19] e aguardou a chegada de reforços.[20] Durante a tarde de 23 de dezembro, depois de ter conhecimento da posição do acampamento britânico, Andrew Jackson se pronunciou de maneira negativa aos fatos expostos, e posteriormente disse "que eles não dormiriam novamente em solo americano.".[21] Nessa mesma noite, Jackson levou 2.131[22] homens para atacar as tropas de Kane . Em seguida, Jackson tirou suas forças de volta para o Canal Rodriguez, a cerca de quatro quilômetros ao sul da cidade. As baixas de americanos foram: 24 mortos, 115 feridos e 74 desaparecidos,[5] enquanto os britânicos relataram suas perdas em até 46 mortos, 167 feridos e 64 desaparecidos.[23]

Batalha de 8 de janeiro[editar | editar código-fonte]

Retrato da batalha, ao centro, Andrew Jackson segurando uma espada.

Na madrugada de 8 de janeiro, Pakenham ordenou um ataque em duas frentes contra a posição de Jackson. O coronel William Thornton (do Regimento 85) atravessou o Rio Mississipi durante a noite com sua tropa de 780 homens, moveram-se rapidamente rio acima, comandado pelo comodoro Daniel Patterson, e em seguida, abriram fogo contra as tropas de Jackson com obuses e foguetes.[24] Em seguida, o ataque principal, diretamente contra a grande maioria das tropas americanas.[25] A brigada comandada pelo major general John Lambert foi mantida na reserva.

Referências

  1. The American Revolutionary War and the War of 1812: People, Politics, and Power, Britannica Educational Publishing. p. 209.
  2. James, pp. 532-533
  3. Quimby, p. 906
  4. James, pp. 542, 543 and 568
  5. a b James, pp. 535-536
  6. a b James, p. 563
  7. Arrived at by deducting the losses incurred on December 23 and January 8 from Jackson's return of total casualties for period of December 23 to January 8 inclusive
  8. Also known as the "Battle of Chalmette Plantation".
  9. Reilly, Robin (1974). The British at the gates - the New Orleans campaign in the War of 1812. New York: Putnam.
  10. Rodriguez, Junius P. (2002). The Louisiana Purchase: a historical and geographical encyclopedia. Santa Barbara, California: ABC-CLIO. p. 348: "The Battle of New Orleans settled once and for all the question over the Louisiana Purchase. Neither the British nor the Spanish government had recognized the legality of the transfer, and, in consequence, the British planned either to retain the region or return Louisiana to Spain had they won the battle."
  11. Thomas, Gregory M. (2005). The Battle of New Orleans. Master of Arts dissertation, Louisiana State University. p. 88: "[The Battle of] New Orleans also eliminated vague British designs on a second colonization of America by expanding Canadian possessions down the Mississippi to the Gulf."
  12. Remini, Robert V. (1999). The battle of New Orleans. New York: Penguin Books. p. 193-194: "Then in mid-February dispatches arrived from Europe announcing that the commissioners in Ghent had signed a treaty of peace with their British counterparts and that the War of 1812 had ended." "...the Senate of the United States unanimously (35-0) ratified the Treaty of Ghent on February 16, 1815. Now the war was officially over."
  13. Reilly 1974, pp. 311–325.
  14. Refer to the map of Louisiana.
  15. Quimby, p. 824
  16. a b Quimby,p. 826
  17. Ilha Pea, ou Pearl Island, está localizada perto da foz do Rio Pearl.
  18. Remini (1999), p. 62-64
  19. Quimby, p. 836
  20. Thomas, p. 61
  21. Remini, Robert V. (1977), Andrew Jackson and the course of American empire, 1767-1821. pp. 259-263
  22. Quimby, p. 843
  23. Thomas, pp. 61-64
  24. Quimby, pp. 892-893
  25. United States forces (3,500 to 4,500 strong) were composed of U.S. Army troops; state militiamen from Tennessee, Kentucky, Mississippi, and Louisiana; U.S. Marines; U.S. Navy sailors; Barataria Bay pirates; Choctaw Indians; "freemen of color" (such as Beale's Rifles), and freed black slaves (a large amount of the work building the parapet however was done by local black slaves). Major Gabriel Villeré commanded the Louisiana Militia, and Major Jean Baptiste Plauché headed the New Orleans uniformed militia companies.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Battle of New Orleans