Beatriz de Dia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Desenho medieval da Condessa de Dia

Beatriz de Dia ou Condessa de Dia (final do século XII - meados do século XIII) foi uma trovadora provençal, filha do Conde Isoardo II de Dia, uma cidade junto ao rio Drôme, no condado de Provença.

Foi esposa de Guillem de Poitiers, conde de Viennois.

A sua canção "A chantar m'er de so qu'eu no volria", é a única peça trovadoresca de autoria feminina cuja música sobrevive intacta.[1]

Obras conhecidas[editar | editar código-fonte]

  • "A chantar m’er de so q’ieu non volria"
  • "Ab joi et ab joven m’apais"
  • "Estat ai en greu cossirier"

"A chantar m'er de so qu'eu no volria"[editar | editar código-fonte]

Esta é a transcrição moderna da canção. O texto está em língua occitana.

A chantar.png
A chantar m'er
A única canção por uma trovadora, que sobrevive com música.

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.

Referências

  1. Elizabeth Aubrey. "Comtessa de Dia", Grove Music Online.