Bicho de pelúcia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde janeiro de 2012). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde julho de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Cachorro de pelúcia

Os primeiros bichos de pelúcia (português brasileiro) ou peluche (português europeu) surgiram nos Estados Unidos em 1902, e foram criados pelo imigrante russo Morris Michtom.

Diz a lenda que o presidente dos Estados Unidos Theodore Roosevelt fez uma viagem e foi convidado para participar de uma caçada. Durante a mesma, um urso foi capturado e pediram para o presidente matar o animal e levá-lo como troféu. Roosevelt não quis matar o urso e a história da bondade do presidente se espalhou pelo país. Foi então que Morris Michtom, que era um vendedor de brinquedos, ficou sabendo da história e começou a fabricar ursinhos de pelúcia. Esse primeiro ursinho ficou muito famoso e se chamava Teddy Bear, que era o apelido da filha do presidente.

Ursos de pelúcia

Algumas versões apontam que, antes de Morris Mitchom, a alemã Margaret Steiff já fazia animaizinhos de feltro.

Na década de 1950, os bichos não eram tão fofinhos, e eram feitos de algodão flanelado e com enchimento de serragem.

Em 1956, surgiram no Brasil os ursinhos de pelúcia feitos com legítima pele de carneiro.