Borracha sintética

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Borracha sintética é aquela que pode ser feita da polimerização de uma variedade dos monômeros, incluindo o isopreno (2-metil-1,3-butadieno), o 1,3-butadieno, o cloropreno (2-cloro-1,3-butadieno), e o isobutileno (metilpropeno) com uma porcentagem pequena do isopreno para o cross-linking.

A borracha natural que vem do látex é, na maior parte, isopreno polimerizado com pequena porcentagem de impurezas, o que limita a sua variedade de propriedades disponíveis. Também, há limitações nas proporções de ligações duplas cis e trans resultantes dos métodos de polimerização do látex natural, que limita também as propriedades disponíveis da borracha natural, embora a adição do enxofre e vulcanização sejam usados para melhorá-las.

Estes e outros monômeros podem ser misturados em várias proporções desejáveis para ser copolimerização para uma ampla gama de propriedades físicas, mecânicas, e químicas. Os monômeros podem ser produzidos puros e a adição das impurezas ou dos aditivos pode ser controladas para otimizar suas propriedades. A polimerização de monômeros puros pode ser melhor controlada para dar uma proporção desejada de ligações duplas cis e trans. Ela vem de derivados de petróleo.

Para se ver a diferença, basta pegarmos uma borracha daquelas macias, com a qual é fácil de apagar, essa será uma borracha natural. entretanto, se escolhermos uma outra, que seja um pouco dura, estaremos diante de uma borracha sintética. Também chamada de elastômero sintético, tem as mesmas propriedades das borrachas naturais, ou seja, elasticidade, possibilidade de vulcanização, solubilidade em solventes, resistência à água, à eletricidade e à abrasão. Por outro lado, apresenta melhor desempenho quanto à durabilidade e à resistência a óleos, ao calor e à luz.

Ícone de esboço Este artigo sobre Química é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.