CS Mackay-Bennett

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
CS Mackay-Bennett
O Cable Ship Mackay Bennett
Carreira   Bandeira da marinha que serviu
Construção John Elder and Co., Glasgow (Escócia, Reino Unido)
Porto de registo Londres, Reino Unido
Armador(es) Commercial Cable Company
Viagem inaugural 18 de setembro de 1884[1]
Período de serviço 1884 - 1922
Estado Afundado durante a Segunda Guerra Mundial, e desmantelado em 1965.
Características gerais
Deslocamento 2000 toneladas [2]
Largura 25em
Comprimento 79 m[3]
Pontal 12,2 m[3]
Calado 6,6 m[3]

O CS (Cable Ship) Mackay-Bennett foi um navio britânico encarregado de reparar cabos submarinos, pertencente à Commercial Cable Company. Teve uma longa trajetória no conserto de cabos no Atlântico Norte.

Mesmo tendo como base a cidade de Halifax, no Canadá era utilizado com frequência para operações na Europa, quando sua base era então a cidade de Plymouth na Inglaterra.

É famaso por ter sido contratado em 1912 para resgatar os corpos das vitimas do Titanic.

História[editar | editar código-fonte]

O Mackay-Bennett foi construído em Glasgow, na Escócia em 1884 para a Commercial Cable Company e foi batizado com os sobrenomes dos fundadores da empresa: John William Mackay e James Gordon Bennett. Foi colocado em serviço nesse mesmo ano e foi utilizado para a instalação e consertos de cabos submarinos durante vários anos.

Em abril de 1912, a White Star Line contratou seus serviços para recuperar os corpos das vítimas do naufrágio do Titanic, pagando 550 dólares por dia.[3] O barco, sob o comando do capitão Frederick Harold Larnder, zarpou com uma equipe de embalsamadores a bordo (dirigida por John R. Snow Jr.),[3] e com grande estoque de gelo, mortalhas e caixões.

O Mackay-Bennett começou as buscas em 17 de abril de 1912 e em 13 dias resgatou 306 cadáveres, incluindo o do multimilionário John Jacob Astor[4] e o corpo de Wallace Hartley, diretor da orquesta do Titanic.[5] Mais tarde, foi auxiliado nas buscas pelos navios Minia, Montmagny e Algerine. Dos 306 corpos recuperados pelo Mackay-Bennett, 116 foram devolvidos ao mar por causa de seu estado de descomposição avançado.[4] Na manhã de 30 de abril de 1912, o Mackay-Bennett chegou ao porto de Halifax com 190 corpos a bordo.[3]

Depois de encerrar a busca pelos corpos, o barco seguiu com suas funções de barco de instalação e reparo de cabos submarinos. O autor canadense Thomas Head Raddall serviu por um tempo como operador de rádio a bordo do Mackay-Bennett,[6] e algumas de suas novelas estão baseadas em sua experiência a bordo.

O Mackay-Bennett foi retirado de serviço em 1922 e depois de ser parcialmente desmontado foi utilizado como armazem flutuante no porto de Plymouth, Inglaterra.[1] Durante a Segunda Guerra Mundial foi bombardeado e afundado pelos alemães durante a Blitz. Mais tarde foi consertado e seu casco fue finalmente desmantelado em Gante, na Bélgica em 1965.[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c MacKay-Bennett (1884). Maritimequest.com.
  2. History of the Atlantic Cable & Submarine Telegraphy - Commercial Cable Company 1886 (em inglês). Atlantic Cable.com.
  3. a b c d e f Mackay-Bennett (em inglês). Encyclopedia Titanica.org.
  4. a b La recherche des victimes (em francês). Titanic.pagesperso-orange.fr.
  5. Mr Wallace Henry Hartley. Encyclopedia Titanica.org.
  6. Thomas Head Raddall fonds (em inglês). Library.dal.ca.