Ceccardo de Luni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
São Ceccardo (Francisco) de Luni
Mártir, Santo e Bispo
Nascimento 800 em Itália
Morte 860 em Luni, Itália
Veneração por Igreja Católica
Canonização por aclamação dos cristãos
Principal templo Basílica de Carrara
Festa litúrgica 16 de Junho
Padroeiro Luni e Carrara, Itália
Gloriole.svg Portal dos Santos

Ceccardo de Luni (800Luni, Itália, 860) foi Bispo da cidade de Luni. É venerado como mártir e santo pela Igreja Católica, que celebra sua festa litúrgica oficial em 16 de junho.

Vida e martírio[editar | editar código-fonte]

Ceccardo, cujo nome tem a mesma significação de Francisco, viveu no século IX. Nasceu provavelmente, no ano 800. Foi criado dentro dos valores cristãos autênticos. Por aclamação, tornou-se Bispo de Luni ainda muito jovem.

Em um ato de 816, de autoria do santo, este se denomina como o sendo “clérigo filho de Siribaldi”, sendo este o predecessor do Bispo Petroaldo, citado nos documentos do Concílio de Roma, ocorrido em 826.

Luni, a cidade etrusca localizada ao sul da região entre a Ligúria e a Toscana, naquele tempo muito rica e próspera, foi terrivelmente devastada devido a um erro de cálculo da frota viking, que navegava ao longo da costa do Mar Mediterrâneo em busca de tesouros e cidades para saque e depredação.

Segundo uma antiga lenda, o rei Normando Hasting confundiu Luni com Roma, vítima de vários de vários de seus antecessores.

O Rei Hasting concebeu um plano engenhoso: em um navio, estando sozinho, ancorou no porto da cidade. Mandou, então, chamar o Bispo do local e demonstrou que desejava ser batizado. Quando Ceccardo se aproximou, foi assassinado sem piedade e a cidade foi saqueada e devastada.

Os cidadãos de Luni implorararam a clemência de Hasting e obtiveram a permissão de sepultar o corpo de seu patriarca na Catedral local.

A devoção e a canonização[editar | editar código-fonte]

Seu corpo foi mais tarde transferido à Catedral de Carrara. Ficou livre da putrefação e se conserva até hoje na mesma catedral, onde pode ser visto pelos fiéis. Já foram feitos pelo menos quatro reconhecimentos das relíquias: em 1599, no episcopado de Giovanni Battista Salvago, em 1625, em 1782 e em 1949, durante o episcopado de Carlo Boiardi, bispo de Apuânia.

Foi declarado santo por aclamação popular e aceito oficialmente pela Igreja Católica.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

G. Franchi - M. Lallai, Da Luni a Massa Carrara - Pontremoli, Aedes Muratoriana, Modena, 2000