Chūshingura

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Chūshingura
Drama
Kuniyoshi Utagawa, The Chushingura.jpg

Xilogravura impressa do ataque a mansão, por Utagawa Kuniyoshi.
Data de apresentação 1748
Autor Takeda Izumo
País  Japão
Atos XI

Chūshingura (忠臣蔵?) é o nome da peça teatral (Drama) mais famosa da história japonesa.[1] Ela retrata a história dos 47 ronin e da morte de seu mestre, Asano Naganori. Dede o inicio Kanadehon Chūshingura (仮名手本忠臣蔵?), a história tem sido retratada em kabuki, bunraku, jogos, filmes, novelas, televisão, quadrinhos, shows e outras mídias. Com dez diferentes produções televisivas nos anos de 1997–2007, o Chūshingura é a história mais familiar na história no Japão.

Eventos históricos[editar | editar código-fonte]

A lenda dos 47 rōnin (四十七士, Shi-jū Shichi-shi?, Yon-jū Nana-shi), "Incidente de Akō" (赤穂浪士, Akō rōshi?), "Acidente de Genroku Akō" (元禄赤穂事件, Genroku akō jikeno?) "Lenda dos 47 samuráis", é uma história japonesa, considerada como lenda nacional neste país, por vários estudiosos.[2] Este evento aconteceu aproximadamente entre 1701 e 1703. É a lenda mais famosa do código de honra Samurai: o Bushidō.

A história conta que um grupo de samurais (exatamente 47) foram forçados a se tornarem rōnin (浪人?) (Samurais sem um senhor), de acordo com o código de honra samurai,[3] depois que seu daimyō (senhor feudal) foi obrigado a cometer seppuku (ritual suicida) por ter agredido um alto funcionário judicial nomeado Kira Yoshinaka, em uma sede do governo. Os rōnin elaboraram um plano para vingar o seu daimyō, que consistia em matar Kira Yoshinaka, e toda sua família. Os 47 rōnin esperaram cerca de um ano e meio para não despertarem qualquer suspeita entre a justiça japonesa. Após o assassinato de Kira, se entregaram à justiça e foram condenados a cometer seppuku.[4] Esta lendária história tornou-se muito popular na cultura do Japão, porque mostra lealdade, sacrifício, persistência e honra que as boas pessoas devem preservar em sua vida cotidiana. A popularidade da mística história aumentou rapidamente na modernização da era Meiji no Japão, onde muitas pessoas neste país anseiam em voltar às suas raízes culturais.

Em 1822, o conto mais conhecido do incidente em Ako foi publicado livro póstrumo de Isaac Titsingh, Ilustrações do Japão.[5]

Bunraku[editar | editar código-fonte]

O Bunraku é um teatro de bonecos que se tornou popular nos séculos passados. Um gênero tipicamente japonês na paciência e dedicação.[6]

A história dos 47 ronin serviu de base para a obra do teatro japonês, Kanadehon Chushingura, levado à cena pela primeira vez em 1748. Uma vez que estava em vigor na altura uma proibição à representação artística e à dramatização de acontecimentos contemporâneos e à utilização dos nomes de personagens reais, a versão teatral da vingança de Ako foi transferida para os dias do shogun Ashikaga Takauji (1308- 1358), o fundador do Shogunato Ashikaga, e o local da acção passou de Edo para Kamakura. Do mesmo modo Asano tornou-se Enya, Kira tornou-se Moronao, e Oishi Kuranosuke Yoshio passou a Oboshi Yuranosuke.[7]

Kabuki[editar | editar código-fonte]

Kabuki (歌舞伎?) é uma forma de teatro japonês, conhecida pela estilização do drama e pela elaborada maquiagem usada por seus atores. O significado individual de cada ideograma é canto (ka) (歌), dança (bu) (舞) e habilidade (ki) (伎), e por isso a palavra kabuki é às vezes traduzida como “a arte de cantar e dançar”. Esses ideogramas, entretanto, são o que se chama de ateji (ideogramas usados apenas com sentido fonético) e não refletem a etimologia mesma da palavra. Acredita-se, de fato, que kabuki derive do verbo kabuku, significando aproximadamente “ser fora do comum”, donde se depreende o sentido de teatro de “vanguarda” ou teatro “bizarro”.

A Peça Chūshingura[editar | editar código-fonte]

A peça Kanadehon Chūshingura foi baseada na história dos 47 ronin acontecida entre 1701 e 1703, e sua cronologia está resumida logo abaixo[8] :

Cenas do teatro Chūshingura
Cena Ato Descrição
Act I.jpg
Ato I (Tsurugaoka kabuto aratame) A cortina é puxada para abrir lentamente ao longo de vários minutos, acompanhados por quarenta e sete individuais batimentos do ki, uma para cada um dos heróicos rōnin. Gradualmente, os atores são revelados em frente ao Santuário de Hachiman. Eles se reuniram para encontrar e apresentar um capacete especial no santuário, e é Lady, Kaoyo, que vem para identificar o elmo de seu mestre, Utagawa Hiroshige.
Act II.jpg
Ato II Konami recebe Rikiya; Honzo Corta um galho de pinheiro com a espada de Wakasanosuke, Utagawa
Act III.jpg
Ato III (Matsu no rōka) . Bannai, guarda de Moronao, com a lista de presentes para apaziguar Moronao, observado por Honzo a esquerda. Nesta cena, ofendido pela repulsa Kaoyo, Moronō insulta Hangand por incompetência e atraso em suas funções. Hangan, diz, que ele é como um pequeno peixe: é bom dentro de seus limites. Mas a repudia contra si continua e incapaz de suportar os insultos por mais tempo, Hangan ataca Moronō, mas, é detido pelo seu guarda Kakogawa Honzō.
Act IV.jpg
Ato IV (Enya yakata no ba) Enviada pelo Shogun, Lady Kaoyo foi até o castelo de Enya, trazendo sua sentença de morte. Ao cair da noite Yuranosuke, fica sozinho, e oferta uma triste despedida para a mansão. Ele possui a adaga que matou seu mestre, e ele faz o juramento de vingançaEle detém a sangrenta adaga com a qual matou seu rei e lambe-lo como um juramento desejando morrer pela vingança.
Act V.jpg
Ato V (Yamazaki kaidō teppō watashi no ba) Yoichibei, vende sua filha Okaru para a prostituição, para levantar dinheiro para a vingança. Yoichibei é assassinado por Sadakurô, os filho de Kudayū, guarda de Hangan. Sadakurō veste um quimono negro. Kanpei atira em um porco selvagem mas erra, e em vez disso, acerta Sadakurō que morre. Kanpei encontra o corpo, descobre o dinheiro, e decide levá-lo e dar à vingança.
Act VI.jpg
Ato VI (Kanpei seppuku no ba) Caçadores retornam trazendo o corpo de Yoichibei de volta a sua casa - O assassinato de Yoichibei é descoberto e Kanpei, acreditando erroneamente que é responsável, comete seppuku. A verdade, porém, é revelada antes de seu último suspiro, e em seu próprio sangue, foi permitido a Kanpei adicionar o seu nome à lista da vingança.
Act VII.jpg
Ato VII (Gion Ichiriki no ba) Yuranosuke janta com o espião Kudayu no bordel Ichiriki, Kyoto, no aniversário da morte de Enya - Kudayū, o pai de Sadakurō, agora trabalha para Moronō e seu objetivo é descobrir se Yuranosuke ainda possui planos de vingança ou não. Ele testa Yuranosuke oferecendo-lhe comida no aniversário da morte do seu senhor, quando ele deveria manter jejum. Yuranosuke é forçado a aceitar.
Act VIII.jpg
Ato VIII (Michiyuki tabiji no yomeiri) Viagem da noiva Konami - Quando Enya puxou sua espada contra Moronō dentro do palácio do shogun, foi Honzō Kakogawa, que impediu-o de matar o velho senhor. Konami é filha de Honzō, está noiva do filho de Yuranosuke, Rikiya, mas desde os acontecimentos o casamento foi cancelado.
Act IX.jpg
Ato IX (Yamashina kankyo no ba) Honzo suicida-se na frente se sua Família. Yuranosuke vestindo um Komuso se prepara para atacar Moronao
Act X.jpg
Ato X Transporte de uma cesta que esconde Yuranosuke até a casa de Gihei -
Act XI - 1º Episodio.jpg
Ato XI (Koke uchiiri no ba) – Primeiro Episódio Ronin atravessam um rio a noite para chegar ao castelo de Moronao
Act XI - 2º Episodio.jpg
Ato XI (Koke uchiiri no ba) – Segundo Episodio Ronin então no interior da casa de Moronao
Act XI - 3º Episodio.jpg
Ato XI (Koke uchiiri no ba) – Terceiro Episódio Moronao é capturado e a espada do suicido de Enya é mostrado por Yuranosuke
Act XI - 4º Episodio.jpg
Ato XI (Koke uchiiri no ba) – Quarto Episódio Após o ataque, voltam para Sengakuji, no caminho são parados pelos soldados do Príncipe Sendai, para descançarem.
Act XI - 5º Episodio.jpg
Ato XI (Koke uchiiri no ba) – Quinto Episódio Foram parados na ponte de Ryogoku pelos representantes do Shogun
Act XI - 6º Episodio.jpg
Ato XI (Koke uchiiri no ba) - Sexto Episódio Os ronin entram no templo de Sengakuji para realizar uma homenagem ao seu mestre , Enya

Referências

  1. The Forty-Seven Ronin (Chūshingura). Visitado em 29/07/2009.
  2. Kanadehon, Chûshingura (2005). El Tesoro de Loyal Retainers. Visitado em 3 de fevereiro de 2008.
  3. Anónimo (2005). HAGAKURE (hojas cultas) El Libro del Samurai Bibliotecas Virtuales. Visitado em 3 de fevereiro de 2008.
  4. Allyn, John (1999). Los Cuarenta y Siete Samurai. Visitado em 3 de fevereiro de 2008.
  5. Screech, Timon. Secret Memoirs of the Shoguns: Isaac Titsingh and Japan, 1779-1824, p. 91.
  6. HANDA, Francisco. Bunraku (Web) (em Português). Visitado em 29/07/2009.
  7. PAIAS, Manuel (2003). Kanadehon Chushingura (O Tesouro dos Leais Vassalos: Um modelo a emular) (Web) (em Português). Visitado em 29/07/2009.
  8. CAVAYE, Ronald; Paul Griffith. In: Kodansha International. A Guide to the Japanese Stage: From Traditional to Cutting Edge. Volume 24, nº 1,. ed. [S.l.: s.n.]. 291-293 pp.

Notas[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre os 47 rōnin é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Chūshingura