Comunicação síncrona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Em comunicações síncronas, o emissor e o receptor devem estar num estado de sincronia antes da comunicação iniciar e permanecer em sincronia durante a transmissão.

Quando dois dispositivos trocam dados entre si, existe um fluxo de dados entre os dois. Em qualquer transmissão de dados, o emissor e o receptor têm que possuir uma forma de extrair dados isolados ou blocos de informação.

Analogia[editar | editar código-fonte]

Imaginemos que um emissor está a enviar uma mensagem de texto através de um tubo e que a mensagem é enviada recorrendo a bolas, cada bola com uma letra. Quando as bolas chegam ao receptor, a mensagem tem que ser remontada, ou seja, têm que se colocar as bolas pela ordem correta, para se voltar a ter a mensagem.

  • Em comunicação assíncrona, cada bola tem um número de sequência, que permite que seja colocada na sua posição. Isto permite que as bolas sejam enviadas e recebidas por qualquer ordem, uma vez que esse número de sequência identifica a posição de cada bola (letra) na mensagem.
  • Em comunicação síncrona, as bolas têm que ser enviadas e recebidas de forma sincronizada, mantendo uma ordem bem definida: a primeira bola (letra) a ser enviada, tem que ser a primeira a ser recebida e assim sucessivamente.

Comunicação Síncrona vs. Assíncrona em transmissão de dados[editar | editar código-fonte]

  • Numa comunicação assíncrona, cada bloco de dados inclui um bloco de informação de controle (chamado flag), para que se saiba exactamente onde começa e acaba o bloco de dados e qual a sua posição na sequência de informação transmitida.
  • Numa comunicação síncrona, cada bloco de informação é transmitido e recebido num instante de tempo bem definido e conhecido pelo transmissor e receptor, ou seja, estes têm que estar sincronizados. Para se manter esta sincronia, é transmitido periodicamente um bloco de informação que ajuda a manter o emissor e receptor sincronizados.


Se olharmos para a origem das palavras síncrono e assíncrono, verificamos que o seu radical [crono] tem origem no grego e significa tempo. Se a este radical associarmos o prefixo [sin-], também originário do grego, com o sentido de simultaneidade, obtemos o morfema [síncrono], que quer dizer, por isso, simultaneidade temporal. Já o prefixo [a-], tem a característica de, geralmente, transformar as palavras na sua negação. Assim, assíncrono deixa de ter o sentido de simultaneidade temporal, como descrito acima, e torna-se num conceito atemporal, isto é, em algo que não é coincidente.

Se associarmos a estes conceitos o de comunicação, verificamos que, na "(...) comunicação síncrona, os relógios do emissor e do receptor estão em perfeito sincronismo e são dependentes, enquanto no tipo assíncrono os relógios do emissor e do receptor apenas têm que estar suficientemente próximos e são independentes." (Reis, et al., s.d). Assim, no primeiro caso, há uma interacção espontânea entre os participantes que é feita em tempo real, o que permite uma construção colectiva do conhecimento e um sentimento de pertença a uma comunidade. Como sabemos, se nos sentimos como parte integrante de um projecto, envolvemo-nos de uma forma mais empenhada e motivada, melhorando a relação entre os participantes e as próprias aprendizagens que se tornam mais significativas. Por outro lado, neste tipo de comunicação, embora tenhamos a vantagem de ser dado um feedback rápido, temos a desvantagem de não haver lugar a respostas reflectidas com base numa pesquisa e fundamentação necessárias a um trabalho rigoroso e científico, havendo ainda a necessidade dos intervenientes terem horários e disponibilidades simultâneas, o que nem sempre se consegue. Como exemplos posso referir o vulgar chat ou as videoconferências que associam o vídeo ao áudio.

Na comunicação assíncrona há a vantagem de o aluno poder gerir o seu tempo, desde que respeite o cronograma do curso, já que pode aceder ao material didáctico quando quiser, efectuando as actividades propostas em qualquer lugar e a qualquer hora, dando-lhe assim oportunidade para reflectir sobre o que leu e pesquisou, podendo preparar de uma forma mais cuidada as suas respostas. Por outro lado, exige disciplina e método por parte dos participantes, podendo levar a um certa desmotivação pelo facto da maior parte do trabalho ser realizado de forma individual e isolada, não obtendo um feedback imediato. Os fóruns de discussão são exemplos claros em que a comunicação assíncrona acontece, tal como no caso dos emails.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Comunicação Síncrona

Quando um envio é feito, o processo remetente é bloqueado até que a recepção correspondente seja realizada, ou seja, o transmissor/receptor não consegue encaminhar um nova mensagem enquanto a resposta não chega.

Comunicação Assíncrona

Em uma comunicação assíncrona, cada bloco de dados inclui um bloco de informação de controle (chamado flag), para que se saiba exatamente onde começa e acaba o bloco de dados e qual a sua posição na seqüência de informação transmitida. Nesse tipo de comunicação o receptor/transmissor pode encaminhar quantas mensagens ele quiser, desde que a mensagem anterior seja entregue, ele não necessita de uma resposta e sim da conclusão do envio da mensagem.