Dâmocles

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Na pintura de Richard Westall, A Espada de Dâmocles, (1812) os belos rapazes da anedota de Cícero foram transformados em moças virgens para gosto do patrono neoclássico Thomas Hope.

Dâmocles é protagonista de uma anedota moral que figurou originalmente na história perdida da Sicília por Timaeus de Tauromenium (c. 356 - 260 a.C.). Cícero pode tê-la lido em Diodoro Sículo. Ele fez uso dela em suas Tusculan Disputationes V.61 - 62.

Dâmocles era um cortesão bastante bajulador na corte do tirano Dionísio, de Siracusa.[1] [Nota 1] Ele dizia que, como um grande homem de poder e autoridade, Dionísio era verdadeiramente afortunado.[1]

Dionísio ofereceu-se para trocar de lugar com ele por um dia, para que ele também pudesse sentir o gosto de toda esta sorte, sendo servido em ouro e prata, atendido por garotas de extraordinária beleza, e servido com as melhores comidas.[1] No meio de todo o luxo, Dionísio ordenou que uma espada fosse pendurada sobre o pescoço de Dâmocles, presa apenas por um fio de rabo de cavalo.[1] Ao ver a espada afiada suspensa diretamente sobre sua cabeça, perdeu o interesse pela excelente comida e pelas belas garotas e abdicou de seu posto, dizendo que não queria mais ser tão afortunado.[1]

A espada de Dâmocles é uma alusão freqüentemente usada para remeter a este conto, representando a insegurança daqueles com grande poder (devido à possibilidade deste poder lhes ser tomado de repente) ou, mais genericamente, a qualquer sentimento de danação iminente.

Entalhes em madeira da espada de Dâmocles aparecem como símbolo em manuais europeus dos séculos XVI e XVII.

Notas

  1. Dionísio I de Siracusa ou seu filho Dionísio II de Siracusa.

Referências

  1. a b c d e Cícero, Tusculanarum disputationum, V.61-62 [la] [en]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Museu de Arte de Ackland/Ackland Museum of Art, The University of North Carolina at Chapel Hill, Estados Unidos.