Deficiência de alfa-1-antitripsina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Saúde.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde Fevereiro de 2008.

Deficiência de alfa-1-antitripsina
Classificação e recursos externos
CID-10 E88.0
CID-9 273.4
DiseasesDB 434
MedlinePlus 000120
eMedicine med/108
Star of life caution.svg Aviso médico

A deficiência de alfa-1 antitripsina é uma doença genética autossómica recessiva, descrita pela primeira vez em 1963, de gravidade variável, relativamente rara.[1]

A alfa 1 antitripsina (A1-AT) é uma enzima proteica (fig.1) codificada por um gene localizado no braço longo do cromossoma 14 – 14q –, região 31-32.3. É produzida no fígado e tem como função inibir a elastase neutrofílica que, quando activa (a elastase neutrofílica), tem a capacidade de destruir o parênquima pulmonar através da hidrólise das fibras de elastina. Esta destruição do parênquima pulmonar, resulta em limitação do fluxo de ar nos pulmões, portanto a deficiência de A1-AT é um dos fatores determinantes na DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica).

Referências

  1. Aquiles A Camelier ; Daniel Hugo Winter ; José Roberto Jardim ; Carlos Eduardo Galvão Barboza ; Alberto Cukier ; Marc Miravitlles (julho de 2008). Deficiência de alfa-1 antitripsina: diagnóstico e tratamento Jornal Brasileiro de Pneumologia. Página visitada em 29 de janeiro de 2012.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Deficiência de alfa-1-antitripsina