Dez (filme de 2002)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Dah
Ten (EUA)
Dez (PT/BR)
 Irã /  França
2002 • cor • 88 min 
Direção Abbas Kiarostami
Roteiro Abbas Kiarostami
Mohsen Makhmalbaf
Elenco Amin Maher
Mania Akbari
Kamran Adl
Roya Arabshahi
Amene Moradi
Género drama, documentário, biográfico, reality show
Idioma inglês
francês
persa
árabe
Lançamento 22 de maio de 2004
Página no IMDb (em inglês)

Dah (em português: Dez) é um filme franco-iraniano de de gênero drama biográfico e documentário de 2002, dirigido por Abbas Kiarostami e com roteiro de Mohsen Makhmalbaf e Kiarostami[1] .

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Mania Akbari é uma mulher sofrida que se divorcia do marido, com quem tem um filho, chamado Amin Maher. Amin Maher mora com o pai, mas passa o dia com sua avó materna. Sua mãe sempre dá carona a pessoas no banco de passageiro, enquanto essas mulheres que sentam ao seu lado contam suas histórias, como uma senhora que conta por que sempre vai rezar no Mausóleu de Ali Akbar, que perdeu um filho muito cedo com 12 anos e o marido muito jovem, a prostituta e o motivo de ter escolhido o mercado do sexo, a jovem que conta ter sido traída pelo seu marido que mostra seu sofrimento cortando seus cabelos, entre outros passageiros que também entram no carro (sempre sendo mulheres, com exceção do filho) e contam a dificuldade de ser traída, as críticas da religião, a dificuldade de ser pai e mãe.

O filho demonstra um comportamento agressivo com a mãe, mas mesmo assim ela o ama muito, e por isso não deixa que ele a esqueça ao longo do filme.

Ao final do filme a moça leva o filho até a casa de sua avó, sendo a última cena do longa-metragem.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Proibição no Irã[editar | editar código-fonte]

O filme foi proibido no Irã, em 2008, por ser considerado um filme ativista e feminista, a favor dos direitos das mulheres, algo proibido pelo Alcorão, livro sagrado dos muçulmanos. Porém, várias fitas cassetes gravadas foram vendidas ilegalmente. Apesar disso a ONU, aprovou o filme e a revista Time o declarou um dos 100 melhores filmes da história.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre cinema iraniano ou um cineasta iraniano, integrado ao projeto sobre Cinema, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.