Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde abril de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.

EFOMM - Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante

É uma Universidade Militar administrada pela Marinha do Brasil e que funciona como centro de referência da IMO -International Maritime Organization, organização que controla a Marinha Mercante no mundo e é o representante marítimo da ONU - Organização das Nações Unidas

A EFOMM tem como objetivo de formar Oficiais de Náutica ou Oficiais de Máquinas, graduados em Ciências Náuticas e integrantes do Quadro de Oficiais da Reserva não remunerada da Marinha do Brasil com a patente de 2º Tenente.

A EFOMM é dividida em dois Centros de Instruções:

CIABA - Centro de Instrução Almirante Braz de Aguiar localizada na cidade de Belém, estado do Pará, cidade onde originalmente foi criada a primeira Escola de Marinha Mercante brasileira. Esse centro de instrução oferece vagas aos estudantes que residem nas regiões Norte e Nordeste do Brasil.

CIAGA - Centro de Instrução Almirante Graça Aranha localizado no bairro de Olaria, na cidade do Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro. Foi criado na década de 70 devido ao grande aumento da demanda de profissionais do setor. O Rio de Janeiro foi escolhido para a criação desse novo centro de instrução devido a proximidade com importantes departamentos da Marinha Brasileira. Esse centro de instrução oferece vagas para os alunos que residem nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste.

A graduação dos Oficiais e dividida em:

- Atividades acadêmicas – Desenvolvidas em salas de aula, laboratórios, simuladores e visitas a bordo de embarcações, terminais marítimos e estaleiros.

- Atividades militares – Desenvolvidas com vistas à formação militar-naval e compreendem disciplinas curriculares, embarques, formaturas, cerimônias e eventos cívico-militares, serviço diário, prática de liderança e atividades de rotina das Organizações Militares; e

- Atividades extraclasse – Destinam-se a complementar o curso e compreendem palestras, seminários, filmes, visitas, atividades sociais e esportivo-culturais, de interesse para a formação do aluno.

O curso terá dois períodos e será desenvolvido em oito semestres, a saber: - Período Acadêmico, composto de seis semestres letivos em regime de semi-internato, com dedicação exclusiva do aluno e estruturado em um sistema serial anual, dividido em dois semestres; e - Período de Estágio, compreendendo dois semestres embarcado para o curso de Náutica e um semestre embarcado para o curso de Máquinas, cumprindo estágio supervisionado.

Após o término do 3º ano, o aluno realizará, obrigatoriamente, o Estágio de Praticante, denominado Programa de Estágio (PREST), a bordo de embarcações mercantes utilizadas na navegação marítima e no apoio marítimo, exclusivamente em empresas indicadas pelos Centros de Instruções.

Durante os semestres acadêmicos, os alunos são militares e tem a patente de 3º Sargento, conforme previsto no Estatuto dos Militares, por estarem realizando a Formação de Oficiais da Reserva da Marinha.

Após a declaração de Praticantes, os alunos são desligados do Serviço Ativo da MB, incluídos como Guarda-Marinha na Reserva, de acordo com a legislação em vigor. Como alunos civis, passam a ser regidos pelas Normas do Ensino Profissional Marítimo (EPM) e o Regimento Interno dos Centros de Instrução.

Ao terminar o curso, o aluno será declarado Bacharel em Ciências Náuticas (curso de nível superior), e passará a integrar o Quadro de Oficiais da Reserva não remunerada da Marinha do Brasil, no posto de 2º Tenente.

O vestibular da EFOMM é realizado anualmente, e é aberto para candidatos de ambos os sexos, que já tenham ou estejam concluindo o segundo grau, que sejam brasileiros e que tenham entre 17 e 24 anos.

A EFOMM Brasileira atende como referência para a América Central, América do Sul e parte da África recebendo alunos provenientes de outras Escolas de Marinha Mercante, ou Marinha de guerra como no Peru, Panamá, Equador, República Dominicananha, Angola, Senegal e Gabão isso atesta o nível de capacitação profissional a que o Oficial brasileiro se lança no mercado.