Esquadra naval

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mergefrom 2.svg
O artigo ou secção Divisão naval deverá ser fundido aqui. (desde janeiro de 2014)
Se discorda, discuta sobre esta fusão aqui.
Couraçados da 2ª Esquadra de Batalha da Grande Frota britânica, durante a Primeira Guerra Mundial.
Cruzadores da Esquadra nº7 da Marinha Imperial Japonesa - 1938.
Navios da Esquadra de Contratorpedeiros nº15 da Marinha dos EUA - 1963.

Uma esquadra é uma força naval composta por vários navios de guerra, que pode fazer parte de uma frota e ser dividida em divisões. Uma esquadra, normalmente, é composta por navios de guerra de grande porte do mesmo tipo e é comandada por um oficial general. Os navios de pequeno porte são, normalmente, agrupados em forças navais designadas "esquadrilhas" ou "flotilhas".

O termo "esquadra" também é, frequentemente, usado para designar a totalidade das forças navais oceânicas de uma marinha de guerra.

Por extensão, o termo "esquadra" também passou a ser aplicado, em algumas forças aéreas a alguns tipos de agrupamentos de aeronaves ou outras unidades aéreas.

Nos países anglo-saxónicos é empregue o termo "esquadrão" (em inglês: squadron) para designar uma força naval equivalentes a uma esquadra.

História[editar | editar código-fonte]

Na época da marinha à vela, a esquadra era um grupo de navios de linha sob o comando de um oficial general. As frotas ou armadas, tradicionalmente, estavam divididas em três esquadras: a de avante, a do centro e a da ré. A esquadra de avante era comandada por um vice-almirante, a do centro por um almirante (que também comandava a frota) e a da ré por um contra-almirante (designado "chefe de esquadra" em algumas marinhas).

Mais tarde, com o aumento do tamanho das esquadras nas maiores marinhas, passou a existir um almirante, um vice-almirante e um contra-almirante em cada esquadra da frota. O almirante da esquadra do centro (comandante da frota) passou a designar-se almirante da frota. A organização deste tipo mais conhecida era a da Royal Navy britânica, nos séculos XVIII e XIX onde existiam as esquadras vermelha, branca e azul, cujos navios hasteavam bandeiras com um campo na cor correspondente à esquadra a que pertenciam.

Por outro lado, existiam também esquadras independentes, que não estavam integradas em frotas. Basicamente, as esquadras independentes, eram frotas mais pequenas que, por isso, não tinham direito a ser designadas como tal. Nas marinhas de média dimensão, as esquadras independentes eram, normalmente, as maiores forças navais existentes.

Tal como as frotas, na época da marinha à vela, as esquadras eram, normalmente, constituídas como agrupamentos temporários para a realização de uma determinada missão, como as modernas forças-tarefa.

No século XIX, no entanto, as esquadras tornaram-se, cada vez mais, em agrupamentos permamentes de navios, tanto para fins operacionais como administrativos. Este agrupamento permanente era vantajoso uma vez que os navios da esquadra eram sempre os mesmos e podiam, assim, exercitar-se em conjunto, estando melhor preparados para entrar em conflito.

Com o fim da marinha à vela, as esquadras deixaram de integrar navios de linha, passando a integrar couraçados e cruzadores. A partir da Primeira Guerra Mundial passaram a integrar, também, porta-aviões. Estes navios, bem como os navios menores que os acompanhavam, passaram a ser conhecidos, em algumas marinhas, como "unidades de esquadra". No final do século XIX foram desenvolvidos navios de guerra de menor porte (torpedeiros, contratorpedeiros, submarinos e outros) que se agrupavam em flotilhas ou esquadrilhas. Estes navios eram designados "unidades de flotilha", por oposição às unidades de esquadra.

O aumento do tamanho e da importância de certos navios que antes estavam integrados em flotilhas (como os contratorpedeiros e os submarinos), levou à constituição de esquadras destes tipos de navios, em algumas marinhas.

A partir da Segunda Guerra Mundial, a esquadra começou a ser substituída pela força-tarefa, como força naval operacional. Ao contrário da esquadra - que era, normalmente uma força permanente -, a força-tarefa era um agrupamento provisório de navios, constituído para o desempenho de determinada missão. A esquadra foi mantida, em algumas marinhas, apenas como um agrupamento administrativo.

Organização[editar | editar código-fonte]

Uma esquadra é, tradicionalmente, comandada por um oficial general, com a patente de vice-almirante ou de contra-almirante. Pode ser considerada, por aproximação, como o equivalente naval da brigada nas forças terrestres. A esquadra poderá estar subdividida em divisões de esquadra, cada qual comandada por um oficial superior, ou eventualmente, por um oficial general subordinado.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • António Gregório de Freitas, Novo Diccionário da Marinha de Guerra e Mercante, Lisboa, 1855
  • Maurício da Costa Campos, Vocabulário Marujo, Rio de Janeiro, 1823
  • Squadronal Colours of the Royal Navy, Royal Naval Museum Library, 2000
  • Chevalier Du Pavillon, Tactique Navale, 1778.
  • Bigot de Morogues, Tactique Navale, 1763.
  • RP Paul Hoste, L'Art des Armées Navales, 1727.

Ver também[editar | editar código-fonte]