Fundação Parque Tecnológico da Paraíba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Fundação Parque Tecnológico da Paraíba está localizada na zona especial de Ciência e Tecnologia, instituída pelo Plano Diretor do Município, no bairro de Bodocongó, a Fundação PaqTcPB está a 7km da Embrapa, 5km da Universidade Federal de Campina Grande e a apenas 2 Km da Universidade Estadual da Paraíba. Nesta zona, também estão localizadas a Escola Técnica Redentorista, a Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado, o Hospital Universitário e o Centro Nacional Tecnológico do Couro e Calçado.

História[editar | editar código-fonte]

Criada em 1984, entre os quatro primeiros parques tecnológicos do país, a Fundação Parque Tecnológico da Paraíba – Fundação PaqTcPB - é uma instituição sem fins lucrativos voltada para o avanço científico e tecnológico do Estado.

Foi instituída pelos seguintes órgãos: Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq, Universidade Federal da Paraíba – UFPB, Governo do Estado da Paraíba e Banco do Estado da Paraíba – PARAIBAN.

Ao longo dos anos, a instituição tem sido uma espécie de pilar, para dar suporte a projetos e programas do setor de Ciência, Tecnologia e Inovação. Grande parte da sua história de prestígio é fruto dos resultados alcançados na sua atuação e das parcerias firmadas com várias instituições. Suas ações têm se pautado no desenvolvimento de atividades dentro das normas e objetivos propostos, sendo inquestionável sua reputação ética e profissional.

A cooperação, colaboração e articulação com seus inúmeros parceiros formam o tripé responsável pelo reconhecimento nacional e internacional obtido através da promoção de empreendimentos inovadores e por liderar iniciativas e ações centradas na vocação do desenvolvimento regional.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A Fundação PaqTcPB tem como uma de suas atribuições, o fomento ao desenvolvimento de projetos de ensino, pesquisa e extensão, sendo uma de suas funções dar suporte administrativo e finalístico aos projetos institucionais. Com um leque extenso de atuação, a instituição age como apoio técnico-administrativo a universidades, como agência de fomento à pesquisa, como interveniente na captação de convênios e como prestadora de serviços especializados. Entretanto, tem funções também específicas, sua expertise é estimular e acompanhar os projetos, sendo especialista na resolução de questões burocráticas. Citada na Newsweek como um dos principais instrumentos de disseminação e transferência de tecnologia da Paraíba, a Fundação ganhou destaque também na área de Tecnologia Social, obtendo o 1º lugar do Prêmio de Tecnologia Social da Fundação Banco do Brasil, em novembro de 2001, sendo contemplada, em seguida, com o prêmio Projeto Inovador do Ano de 2002, concedido ao Projeto de Incubação de Micros e Pequenas Agroindústrias em Comunidades Rurais do Semi-árido Paraibano, pela Anprotec. Através de ações voltadas para o desenvolvimento do Semi-Árido paraibano, a Fundação ganhou, em 1º lugar, o Prêmio Fundação Banco do Brasil de Tecnologia Social, representando o Brasil, na sede da Unesco, em Paris. O projeto vencedor diz respeito à criação de camarões marinhos com rejeitos de dessalinizador, sem causar dano ao meio ambiente – Sistema PCHS: Peixe, Camarão, Halófitas e Sal. Em setembro deste ano, a Fundação PaqTcPB recebeu da Anprotec o Prêmio Projeto Inovador do Ano 2002, com o P rojeto de Incubação de Micros e Pequenas Empresas Agroindustriais em Comunidades Rurais do Semiárido Paraibano.

Uma instituição comprometida com o desenvolvimento local

Ao longo dos anos, a instituição tem sido uma espécie de pilar, para dar suporte a projetos e programas do setor de Ciência, Tecnologia e Informação. Grande parte da sua história de prestígio, reconhecimento e competência é fruto dos resultados alcançados na sua atuação e das parcerias firmadas com várias instituições.

Em sua constituição, a Fundação PaqTcPB conta com diversos segmentos da sociedade: UFPB ,UFCG, SEBRAE-PB, Prefeitura Municipal de Campina Grande- PB, Banco do Nordeste do Brasil (BNB), UEPB, CNPq, FIEP, Governo do Estado da Paraíba e Associação das Empresas de Base Tecnológica (AEBT) .

ITCG[editar | editar código-fonte]

A Incubadora Tecnológica de Campina Grande - ITCG - é uma das unidades de negócio da Fundação PaqTcPB que apoia empreendimentos inovadores nascentes com ênfase na geração e consolidação dos mesmos, bem como na sua capacitação e inserção no mercado. Ao longo de sua trajetória, a incubadora passou a apoiar outras incubadoras localizadas em outros municípios. Assim, com esta iniciativa, foi criada a REPARI, a Rede Paraíba de Parques e Incubadoras que apoia outras seis incubadoras em operação.

Como atua

A Fundação Parque Tecnológico da Paraíba, pioneira no país na criação de mecanismos para estimular a transformação de idéias em processos, produtos e serviços – empreendimentos que aproximam o mundo da Ciência, Tecnologia e Inovação do mundo dos negócios, criou em 1986 o seu Programa de Incubação de Empresas Nascentes Inovadoras. A Incubadora Tecnológica de Campina Grande - ITCG apóia o Programa de Incubação de Empresas da Fundação Parque Tecnológico da Paraíba, que tem como missão apoio as ações para o desenvolvimento de novos empreendimentos nascentes inovadores através de suporte técnico e gerencial no âmbito empresarial, buscando o crescimento sustentável e o amadurecimento dessas empresas como forma de promover o empreendedorismo inovador em nosso estado e região.

Em mais de 25 anos de existência, a Fundação PaqTcPB tem sido parceira da ITCG e dos novos empreendimentos inovadores que saem do processo de incubação com maiores chances de sucesso para competir e se manterem no mercado.

ITCG em números

Empresas incubadas residentes: 18 empresas Empresas incubadas virtualmente: 19 empresas Empresas associadas: 82 Empresas beneficiadas pelo PRIME: 98

Competências e áreas de atuação da ITCG

A ITCG atua em 07 (sete) nichos de negócios:

  • Tecnologias da informação e Comunicação
  • Eletroeletrônica
  • Biotecnologia
  • Petróleo e Gás Natural
  • Biocombustíveis
  • Agroindústria
  • Tecnologias Ambientais
  • Design

Criada em 1986 para apoiar o empreendedorismo inovador no Estado da Paraíba ao longo de sua existência, a ITCG já apoiou de forma direta (através do Programa de Incubação), mais de 77 empresas e, de forma indireta tem contribuído para a criação e operação de 98 empresas beneficiadas pelo Programa Primeira Empresa Inovadora (PRIME).

Essa experiência garantiu seu crescimento e consolidação, ganhando destaque no cenário nacional, incubando basicamente empresas de base tecnológica. Nos últimos anos a ITCG além de continuar atuando com empreendimentos de base tecnológica, também passou a atuar com o setor agroindustrial, incubando empresas agroindustriais em comunidades rurais do Semi-Árido paraibano.

A partir de 2007 a ITCG ampliou ainda mais sua área de atuação, passando a apoiar empreendimentos inovadores dos setores de Tecnologia Ambiental, de Bicombustíveis, de Petróleo e Gás Natural e de Biotecnologia.

No inicio de 2004, a ITCG reafirma seu know how de larga atuação em incubação de novos empreendimentos inovadores. Graças a sua expertise, firmou parceria com o SEBRAE Paraíba, se tornando a instituição responsável pela execução das ações de implantação de novas incubadoras no interior do Estado da Paraíba. Numa ação ousada e inovadora, que denominamos de “incubação de incubadoras”, a ITCG apoiou a criação, implantação e implementação, em municípios do semiárido paraibano, novas incubadoras de base tradicional, levando às suas vocações e potencialidades a inovação tecnológica no processo de desenvolvimento dos produtos, agregando valor e apoiando a comercialização dos produtos por inovação nos processos produtivos, agregando valor e apoiando sua inserção no mercado.

As novas incubadoras fazem parte da Rede Paraíba de Incubadoras – REPARI, coordenada pela Fundação PaqTcPB, essa inserção tem garantido o compartilhamento de conhecimentos e de ações para desenvolvimento de novos produtos e acesso a mercado.

Instrumentos que dispomos para promover a cultura do empreendedorismo inovador

A Fundação Parque Tecnológico da Paraíba através dos seus diversos serviços de apoio ao empreendedorismo inovador, facilita a transformação de idéias inovadoras em empresas viáveis, de qualidade e voltada para o futuro. A cada ano, novos projetos empresariais são acompanhados, aumentando suas chances de crescimento via os apoios técnicos e gerenciais acessíveis a cada empresa. Serviços como: orientação empresarial, elaboração de Plano de Negócios, informações tecnológicas e mercadológicas, registro e legalização de empresas e produtos, participação em eventos, treinamentos, cooperação com universidades e centros de pesquisa são exemplos de serviços diferenciados que a Fundação PaqTcPB disponibiliza aos empreendedores.

Centro de Tecnologia e Inovação Telmo Araújo - CITTA[editar | editar código-fonte]

O Estado da Paraíba, particularmente em Campina Grande, conta com um sistema diversificado de instituições de apoio à ciência, tecnologia e inovação, bem como de importante parque industrial e de serviços. Além disso, o Estado da Paraíba carece de apropriação de conhecimento tecnológico para seu pleno desenvolvimento sócio-econômico sustentável, sobretudo, em relação às tecnologias de orientação social para melhoria do seu IDH. O Centro de Inovação e Tecnologia Telmo Araújo – CITTA, a ser instalado em área desapropriada pelo Governo do Estado, posteriormente doada à Prefeitura Municipal de Campina Grande, apresenta-se como um novo braço a ser incluído nas políticas públicas do Governo atual e futuro. O CITTA irá atuar de forma sistemática e cooperativa, organizando a oferta e a demanda de serviços inteligentes no sentido da promoção de inovações tecnológicas e das tecnologias sociais no Estado da Paraíba. Além da estruturação de um portfólio de serviços diferenciados, o CITTA será povoado por empresas inovadoras, altamente qualificadas e conectadas com o mercado.

A quem vai beneficiar?

Meia centena de empresas inovadoras, criadas com o apoio dos recursos da subvenção econômica do MCT/Finep, além de outras empresas já estabelecidas em Campina Grande, encontram-se aptas e prontas para instalação e operação na área do CITTA, gerando de imediato: • 450 postos de trabalho altamente qualificados; • Âncoras: Accenture e Zmax; • Serviços especializados de apoio às empresas (Gestão do Conhecimento, Inteligência Competitiva, Estudos Prospectivos, Informação Tecnológica).

Esta ação tem como pilar o apoio local do Governo do Estado da Paraíba e da Prefeitura Municipal de Campina Grande.

Plano de Ocupação do CITTA

A área desapropriada para a implantação do CITTA possui cerca de 17.454 m², localizada na Zona Especial de Desenvolvimento Científico e Tecnológico da cidade – Pólo Tecnológico de Bodocongó. Trata-se de um retrofit das instalações de uma antiga fábrica têxtil, estrategicamente bem situada numa via principal de acesso da cidade e às margens do açude de Bodocongó. Neste renascimento serão utilizadas tecnologias avançadas e materiais modernos, trazendo mais conforto, segurança e funcionalidade, mantendo, no entanto, as características originais das edificações existentes, como forma de preservar a memória e a história.

Estarão sendo revitalizados os 04 (quatro) blocos com área total de 8.856,95 m² (A, B, C, e D).

O Bloco A possui 662,50 m² e está destinado a ambientes de uso comum do condomínio. São eles: Recepção; Sala de estar; Administração; Sala de reunião para 16(dezesseis) pessoas; 03(três) Salas de reunião para 06(seis) pessoas; Auditório para 56(cinqüenta e seis) pessoas; Sanitário feminino; Sanitário masculino; Sanitário feminino para portadoras de necessidades especiais (PNEs); Sanitário masculino para portadores de necessidades especiais (PNEs); Copa; Despensa; Depósito de material de limpeza (DML); Restaurante; 02(duas) Lojas destinadas a instalações de serviços de apoio.

O Bloco B possui área de 5.327,10 m² e está destinado a instalação de empreendimentos de maior porte (maior número de empregados e/ou existência de planta fabril). Possui uma recepção e 12 (doze) módulos com áreas de 305,30 m² a 603,40 m². Cada módulo apresenta o seguinte programa: Área de produção; Sanitário feminino; Sanitário masculino; Sanitário para portadores de necessidades especiais (PNEs); Copa; Depósito de material de limpeza (DML).

O Bloco C com área de 1.384,70 m² está destinado à instalação de empreendimentos do setor de TIC de menor porte. Possui 18 (dezoito) módulos, sendo 17 (dezessete) com 53,00m² e 01 (um) com 76,00m². Apresenta uma área em comum com os seguintes ambientes: Recepção; Sanitário feminino; Sanitário masculino; Sanitário para portadores de necessidades especiais (PNEs); Depósito de material de limpeza (DML).

O Bloco D com área de 1.482,65 m² está destinado aos empreendimentos de maior porte, cuja produção não requer planta fabril. Possui 01(uma) Recepção e 06(seis) Módulos, sendo 04(quatro) com 195,00 m² e 02(dois) com 130,00 m². Cada módulo apresenta os seguintes ambientes: Área de produção; Sanitário feminino; Sanitário masculino; Sanitário para portadores de necessidades especiais (PNEs); Copa; Depósito de material de limpeza (DML). Por sua localização estratégica o Bloco D apresenta ainda uma área com ambientes de uso comum do condomínio. São eles: Ambulatório; Sala de Segurança; Depósito de equipamentos de manutenção; Depósito de material de limpeza geral (DML); Sanitário feminino; Sanitário masculino; Sanitário para portadores de necessidades especiais (PNEs).

A área na qual o CITTA estará sendo instalado também contempla: Áreas para estacionamento; Áreas verdes permeáveis; Infra-estrutura e acesso para portadores de necessidades especiais; Docas para carga e descarga.

O plano de expansão do Pólo Tecnológico de Bodocongó, com a implantação do CITTA, deverá ocorrer em duas fases:

  • Fase 1: Ocupação da área já desapropriada: bloco A (área administrativa), blocos B e D (empresas de maior porte), bloco C (empresas de menor porte); estacionamento inicial; acesso via Rua Projetada II (pavimento simples).
  • Fase 2: Desapropriação de lotes para expansão: estacionamento; blocos F, G e H.


Referências