GP Investments

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de GP Investimentos)
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde junho de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
GP Investments, Ltd
Tipo Companhia Aberta
Indústria Private equity
Fundação 1993
Pessoas-chave Antonio Bonchristiano, (CEO), Fersen Lambranho, (CEO)
Empregados 75
Produtos Gestão de ativos em quatro classes principais: private equity, real estate, infraestrutura e investimentos líquidos
Lucro Aumento US$ 10 milhões (2012)
Faturamento Aumento US$ 78 milhões (2012)
Página oficial www.gp.com.br

A GP Investments (ou GP Investimentos) foi funda em 1993 e em 2013 era uma companhia:

  1. com relevantes líder em investimentos na América Latina, com atuação em gestão de recursos, principalmente em fundos de private equity;
  2. que tinha captado cerca de US$5 bilhões de investidores de todas as partes do mundo, que foram aplicados em mais de 50 empresas.
  3. com títulos listados na Bolsa de Luxemburgo e negociados, por meio de Certificados de Depósito de Ações (BDRs), na BM&FBovespa[1] .

A GP Investments fica sediada em Hamilton, Bermudas e também tem um escritório em São Paulo, Brasil.

Histórico[editar | editar código-fonte]

1993 a 2005[editar | editar código-fonte]

A GP Investments foi fundada em 1993 para focar em investimentos na América Latina, na ocasião um mercado nascente de private equity.

Em 1994, a GP levantou seu primeiro fundo de investimento, com US$ 500 milhões de capital comprometido, que foi seguido pelo fundo GP Capital Partners II, de US$ 800 milhões, em 1997.

Em 2001, a companhia completou a captação de seu primeiro fundo local de private equity, no montante de R$130 milhões, para focar em investimentos de tecnologia. Em 2003 os atuais sócios-executivos, Antonio Bonchristiano e Fersen Lambranho, assumiram o controle da companhia como parte de um plano de sucessão natural e no ano seguinte completaram a aquisição de 100% da GP Investments.

Desde 2005[editar | editar código-fonte]

Na metade da década de 2000, a GP estava mais uma vez crescendo rapidamente. Em 2005 a companhia, já sob a nova gestão, foi capaz de levantar seu terceiro fundo de private equity, o GP Capital Partners III, num total de US$250 milhões de capital comprometido.

A companhia passou então em 2006 por uma mudança estrutural notável, vendendo ações ao público e levantando uma base de capital permanente para futuras transações. Levantou um valor líquido de US$ 308 milhões com seu IPO em uma oferta 100% primária, tornando-se a primeira companhia de private equity listada em bolsa da América Latina. A GP Investments tem utilizado o capital para fazer investimentos dentro do seu balanço, em conjunto com a família de fundos de private equity que administra. No ano seguinte, em 2007, a companhia levantou seu maior fundo até hoje, com US$1,3 bilhão de capital comprometido, à medida em que o interesse nos mercados emergentes e nos países do BRIC cresceu significativamente. Também em 2007, a GP Investments foi capaz de emitir títulos perpétuos de dívida, captando US$ 190 milhões, que foram seguidos em 2008 por mais US$ 232 milhões provenientes de uma oferta subsequente de ações (follow-on), novamente primária, e que fortaleceu sua base permanente de capital.

Após levantar em 2010 o GP Capital Partners V, com comprometimento de capital de US$1,1 bilhão, a companhia atualmente atua também com investimentos relacionados a real estate e a infraestrutura, além do foco original em private equity e da participação direta e como controladora na BRZ Investimentos, que opera no negócio de asset management.

Em 27 de fevereiro de 2013 anunciou um relevante aumento de capital investido na Empresa Brasileira de Agregados Mineirais[2] .

No primeiro trimestre de 2013 registrou registrou prejuízo líquido de US$ 8,193 milhões[3] .

Em maio de 2013 anunciou compra de parte da Apen[4] .

Investimentos[editar | editar código-fonte]

A companhia investe em uma variedade de setores na América Latina, com maior foco no Brasil. Entre os mais notáveis investimentos atuais da empresa estão:

  • BHG - Brazilian Hospitality Group
  • Magnesita
  • Sascar
  • Estácio
  • San Antonio
  • BR Towers
  • Centauro
  • APEN
  • PAR CORRETORA (Corretora de Seguros da Caixa Econômica Federal)
  • Empresa Brasileira de Agregados Minerais S.A.

Referências[editar | editar código-fonte]

Consulte a lista completa de referências na página da GP Investments no site da Wikipedia no idioma Inglês.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências