Gruta dos Moinhos Velhos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:

A Gruta de Moinhos Velhos pertence ao conjunto de Grutas de Mira de Aire e localiza-se em Mira de Aire.

Localização[editar | editar código-fonte]

Situa-se na freguesia portuguesa de Mira de Aire, concelho de Porto de Mós, distrito de Leiria, "em pleno Maciço Calcário Estremenho, nos flancos da Serra D'Aire, ocupando a parte norte do Polje Mira/Minde, sulcada pela estrada nacional nº 243 que liga o entroncamento de Torres Novas ao de S. Jorge".[1]

Coordenadas gps[1] :

  • N 39 32.423'- longitude
  • W 008º 42.260' - latitude

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Parte turística da Galeria Grande

A Gruta dos Moinhos Velhos (juntamente com a Gruta da Pena e a Gruta da Contenda), faz parte de uma grande rede de galerias com mais de 11 Km de extensão, constituindo dos mais importantes sistemas subterrâneos do Maciço Calcário Estremenho. Caracteriza-se pela existência de dois coletores paragenéticos fósseis, de diâmetro aproximadamente decamétrico, com afluentes desenhando uma rede dendrítica e um conjunto de galerias semi-ativas de traçado dendrítico a norte e angulado a sul. A zona fóssil tem um desnível de 100 metros e a espessura da zona intermédia varia entre 80 metros a montante e 60 metros a jusante, circulando a água por galerias singenéticas, do quadrante norte para o quadrante sul, em direção à exsurgência da Gruta da Pena.

Podem definir-se quatro fases na evolução do sistema. A primeira é representada por galerias freáticas superficiais, de pequeno diâmetro, a segunda pelo coletor paragenético da Galeria Gémea, a terceira pela Galeria Grande e seus afluentes e a última pelas galerias ativas e semi-ativas dos andares inferiores.

Nas galerias do sistema da gruta dos Moinhos Velhos vive um escaravelho cavernícola endémico, denominado Trechus lunai e as galerias aquáticas são habitadas por crustáceos estigóbios, dos quais o mais abundante é o Proasellus lusitanicus.

Historial[editar | editar código-fonte]

Foi descoberta em 27 de Julho de 1947, ano em que foram realizadas as primeiras tentativas de exploração da gruta. Em 1948 alguns dos primeiros exploradores resolveram formar a Sociedade Portuguesa de Espeleologia, a primeira associação portuguesa do género. A gruta foi classificada como imóvel turístico de interesse público em 20 de Outubro de 1955, tendo aberto as suas portas ao público a 11 de Agosto de 1974. As Grutas de Mira de Aire participaram no concurso 7 Maravilhas Naturais de Portugal, promovido pela New 7 Wonders Portugal, sendo eleitas, a 11 de setembro de 2010, como uma das 7 Maravilhas Naturais de Portugal.[2] [3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mira de Aire

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Crispim, J.A. 1987. Evolução da Hidrologia Subterrânea na Gruta de Moinhos Velhos (Mira de Aire), Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências de Lisboa - Sociedade Portuguesa de Espeleologia, ALGAR - Bol. Soc. Port. Espeleologia, 1:3-8.
  • Reboleira, A.S.P.S. et al. 2011. The subterranean fauna of a subterranean hotspot - Portugal: an overview and its conservation. International Journal of Speleology 40(1): 23-7.

Referências

  1. a b Grutas de Mira de Aire: localização. Página visitada em 12-08-2014.
  2. Folheto das "Grutas de Mira de Aire".
  3. Grutas de Mira de Aire. Município de Porto de Mós. Página visitada em 13-08-2014.
Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.