Hebefrenia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde outubro de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Hebefrenia (do grego antigo ἥβη transl. hébe, juventude + φρήν, translit. phrén, inteligência, alma[1] ) é uma enfermidade mental própria de adolescentes e que conduzia rapidamente à loucura. Foi inicialmente descrita em 1863 pelo médico alemão Karl Kahlbaum. Em 1871, Ewald Hecker, discípulo de Kahlbaum, apresentou uma análise mais detalhada da hebefrenia, caracterizando-a por um "'afeto tolo, pueril', por alterações comportamentais graves e desagregação progressiva do pensamento". Em 1884, Kahlbaum fez menção a um outro grupo de pacientes, que o autor descreveu com detalhes em 1890: o grupo dos adolescentes hebóides ("jovens viciados, instáveis, caprichosos, sujeitos à cólera").

Enquanto os hebefrênicos demonstravam sintomas evidentes de loucura, os jovens hebóides apresentavam alterações principalmente, nos hábitos das relações sociais e da personalidade, através de flutuações abruptas do humor e do comportamento: "Oscilam rapidamente de um estado melancólico para um expansivo, ficando facilmente irados. São jovens que, embora pensem e raciocinem corretamente, discutindo os mais variados assuntos com facilidade, têm de fato uma certa dificuldade em apreender de forma precisa a realidade. Entretanto, apesar desta forma de pensar dispersa e pouco útil, os hebóides, ao contrário dos hebefrênicos, não apresentam idéias delirantes verdadeiras".

Esquizofrenia hebefrênica[editar | editar código-fonte]

A esquizofrenia hebefrénica é uma forma de esquizofrenia caracterizada pela presença proeminente de uma perturbação dos afetos. As idéias delirantes e as alucinações são fugazes e fragmentárias, o comportamento é irresponsável e imprevisível. Existem freqüentemente maneirismos. O afeto é superficial e inapropriado. O pensamento é desorganizado, e o discurso incoerente. Há uma tendência ao isolamento social. Geralmente o prognóstico é desfavorável devido ao rápido desenvolvimento de sintomas "negativos", particularmente um embotamento do afeto e perda da volição.

Principais características[editar | editar código-fonte]

  • Inicia-se antes dos 25 anos de idade;
  • Risos imotivados;
  • Expressões bizarras;
  • Condutas tolas;
  • Afastamento social;
  • Descuido com a própria aparência;
  • Embotamento afetivo.

Referências

  1. 1 Greek mythology and medical and psychiatric terminology. Por Loukas AthanasiadisPsychiatric Bulletin 1997, 21:781-782.


Ícone de esboço Este artigo sobre Psiquiatria é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.