Hibridização fluorescente in situ

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Visualização do RNA de células utilizando a técnica FISH.

A hibridização fluorescente in situ, conhecida como FISH (do inglês: fluorescence in situ hybridization), é um técnica citogenética usada para detectar e localizar a presença ou a ausência de determinadas sequências de DNA em cromossomos. Desenvolvida na década de 1980, ela utiliza sondas fluorescentes que se ligam somente às partes do cromossomo a que eles apresentem um elevado grau de complementaridade de sequência. A microscopia de fluorescência pode ser utilizada para descobrir em que a sonda fluorescente é ligado aos cromossomas. A técnica é muitas vezes usada para encontrar características específicas no DNA para uso em aconselhamento genético, medicina e na identificação das espécies. A FISH pode também ser usada para detecção e localização de alvos específicos de RNA em células circulantes, células tumorais ou amostras de tecido. Neste contexto, pode ajudar a definir os padrões espaço-temporais de expressão gênica em células e tecidos.[1]

Referências

  1. Pernthaler A, Pernthaler J, Amann R. (2002). "Fluorescence In Situ Hybridization and Catalyzed Reporter Deposition for the Identification of Marine Bacteria". Applied and Environmental Microbiology 68 (6): 3094–3101. DOI:10.1128/AEM.68.6.3094-3101.2002.
Ícone de esboço Este artigo sobre Bioquímica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.