Ilha fantasma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde Janeiro de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
O mapa Zeno, feito em 1558 por Nicolo Zeno, mostra a Frislândia – uma ilha fantasma do Atlântico Norte.

Uma ilha fantasma é uma ilha que aparece na cartografia histórica por um período de tempo mais ou menos extenso mas que finalmente é removida logo que se assume ou confirma a sua inexistência.

Algumas ilhas fantasma apareceram nos mapas como consequência da localização errada de ilhas reais. Por exemplo, a Thule foi talvez descoberta no século IV a.C., para logo ser esquecida. Após ser redescoberta muito depois foi identificada por antigos exploradores e geógrafos alternadamente como ilhas Shetland, Islândia ou mesmo a Escandinávia. Outros navegadores reportaram a sua inexistência.

Algumas poucas ilhas fantasma teriam "existido" na forma de bancos de areia, cones vulcânicos, deposições de lava ou outras estruturas instáveis que teriam aparecido e desaparecido sucessivas vezes ao longo da História. Outras ilhas fantasma são provavelmente criações míticas.

Não deve confundir-se com o conceito de terras perdidas, que assinala territórios insulares cuja existência passada é pelo menos provável, mas que nunca foram colocados na cartografia por ter desaparecido de forma catastrófica (devido a sismos, tsunamis, aumento do nível do mar, etc.) em tempos remotos.

Ver também[editar | editar código-fonte]