Infância Clandestina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Infância Clandestina
Infancia clandestina
Pôster do filme
 Argentina
2012 • cor • 110 min 
Direção Benjamín Ávila
Roteiro Marcelo Müller
Gênero Drama
Idioma Espanhol
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

Infância Clandestina é um filme de drama argentino, dirigido por Benjamín Avila e escrito por Marcelo Müller com participações também do diretor, Avila. O filme é o representante da Argentina para a disputa do Oscar 2013 de melhor filme estrangeiro na cerimonia que acontecerá nos Estados Unidos. Foi lançado em 20 de setembro de 2012 na Argentina[1] e 7 de dezembro de 2012 no Brasil. Em 7 de outubro de 2012, o filme estreou no Festival do Rio.[2] [3]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Em 1979 na Argentina, Juan (Teo Gutiérrez Romero) leva uma vida clandestina, da mesma forma que seu pai (César Troncoso), sua mãe (Natalia Oreiro) e seu querido tio Beto (Ernesto Alterio). Fora do berço familiar ele é conhecido por um outro nome, Ernesto, e precisa manter as aparências pelo bem da família, que luta contra a ditadura militar que governa o país. Tudo corre bem, até ele se apaixonar por Maria, uma colega de escola. Sonhando com voos mais altos ao seu lado, ele passa por cima das rígidas regras familiares para poder ficar mais tempo com ela.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Produção[editar | editar código-fonte]

O filme é baseado na vida do próprio diretor, Benjamín Ávila. Ainda na infância, o diretor viveu um drama em seu país de origem. Filho de guerrilheiros de esquerda (montoneros), ele viveu no exílio com a mãe e, ao retornarem ao país, em 1979, na tentativa de derrubar a ditadura militar da Argentina, a mãe acabou sendo presa e morta.[4] [5]

Marcelo Müller diz que acredita nos roteiros argentinos com bons olhos porque são feitos com maior cuidado do que no Brasil. “Aqui, quando você pede permissão para captar recursos com empresas, entrega para a Ancine somente um rascunho do que vai fazer. Lá, o governo te empresta o dinheiro, então eles são mais exigentes na hora de aprovar um projeto. É uma espécie de concurso de roteiro”, explica.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Infancia clandestina (2011) (em Espanhol) Cinema Nacional.com. Página visitada em 7 de dezembro de 2012.
  2. Agenda de estreias da sexta-feira no Brasil - 07 dezembro 2012 AdoroCinema. Página visitada em 7 de dezembro de 2012.
  3. Bruno Carmelo (7 de outubro de 2012). Festival do Rio: Twixt 3D, de Coppola, e Infância Clandestina são os destaques de domingo AdoroCinema. Página visitada em 7 de dezembro de 2012.
  4. a b Carol Nogueira (7 de dezembro de 2012). 'Infância Clandestina' mostra perda da inocência na ditadura Veja. Página visitada em 7 de dezembro de 2012.
  5. Neusa Barbosa (6 de dezembro de 2012). Na corrida por Oscar, "Infância Clandestina" remonta memória infantil em ditadura argentina Portal UOL. Página visitada em 7 de dezembro de 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.