James Stuart, Conde de Moray

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde outubro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Jaime Stuart
Conde de Moray
Cônjuge Agnes Keith
Descendência
Isabel
Casa Stuart
Pai Jaime V da Escócia
Mãe Margarida Erskine
Nascimento 1531
Morte 23 de janeiro de 1570 (39 anos)

James Stewart, importante figura da História da Escócia no século XVI, era irmão da Rainha Maria Stuart e foi regente do país.

Filho bastardo do rei Jaime V com sua amante Margarida Erskine, que desde 1527 era esposa de Robert Douglas, e irmã do Conde (Earl) de Mar, nasceu Lord James Stewart em 1531 ou 1532 e morreu assassinado em 1570. Foi feito em 1562 primeiro conde de Moray (ou Murray). Casou-se em 1562 com Agnes Keith, filha primogênita de William Keith (morto em 1581) 4º Conde de Keith.

Em 1560, quando morreu a regente Maria de Guise, o poder na Escócia estava com os lordes protestantes da Congregação que reuniram um parlamento (ilegal) para implementar a Reforma, banir a missa e a autoridade papal. Seus conselheiros principais eram protestantes, William Maitland de Lethington, talentoso diplomata, e o conde de Moray.

James Stewart foi, mais tarde, regente em nome do sobrinho Jaime VI, filho de sua meia-irmã Maria Stuart. Convertera-se jovem ao Protestantismo e foi peça importante no sucesso da Reforma na Escócia. Uniu-se aos Lordes da Congregação (em 1559) e se tornou o opositor mais importante a Maria de Guise, que se tornara regente da Escócia por morte de seu marido, pai de James Stewart. Tornou-se depois conselheiro da Rainha Maria, quando jovem, quando em 1561 voltou à Escócia, promovendo boas relações com a Inglaterra e a reforma religiosa.

Opôs-se ao casamento de Maria com Darnley (1565) e, depois de uma rebelião abortada, fugiu para a Inglaterra. Tomou parte na conspiração para assassinar o confidente da Rainha, David Rizzio. Retornou à Escócia depois do assassinato em 1566 e se reconciliou com Maria, inconsciente de sua participação. Tornou-se Regente da Escócia quando a meia-irmã abdicou em 1567. Fez todos os esforços para conseguir perpetuar o encarceramento de Maria da Escócia, e apoiou o jovem rei Jaime VI (1566 - 1625), que se tornou amigo dos ingleses e do Protestantismo. Foi assassinado por James Hamilton of Bothwellhaugh em Linlithgow, que era partidário de Maria, no primeiro assassinato que se registra por arma de fogo, e está sepultado na igreja de St. Giles em Edinburgh. Foi elogiado por John Knox pela parte que tomou na Reforma na Escócia.