Linalol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2008). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Linalol
Alerta sobre risco à saúde
Linalool-skeletal.png
Nome IUPAC 3,7-dimethylocta-1,6-dien-3-ol
Identificadores
Número CAS 78-70-6
PubChem 6549
SMILES
InChI InChI=1/C10H18O/c1-5-10
(4,11)8-6-7-9(2)3/h5,
7,11H,1,6,8H2,2-4H3
Propriedades
Fórmula molecular C10H18O
Massa molar 154.25 g/mol
Densidade 0.858 – 0.868 g/cm3
Ponto de fusão

< 20 °C

Ponto de ebulição

198 – 199 °C

Solubilidade em água 1.589 g/l
Riscos associados
Ponto de fulgor 55 °C
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O linalol (3,7-dimetil-octa-1,6-dien-3-ol) é um monoterpeno referido como um componente prevalente nos óleos essenciais em várias espécies de plantas aromáticas, presente em 2 isômeros espaciais. É um importante componente químico aromático largamente usado como fixador de fragrâncias na indústria cosmética mundial, com ponto de ebulição de 199 ºC e solubilidade em água de cerca de 1,5g/L.[1]

Pesquisas[editar | editar código-fonte]

Estudos farmacológicos revelaram os efeitos analgésicos do linalol, bem como os mecanismos de ação do monoterpeno no organismo. Revelou-se a indução de uma redução da liberação suscitada de acetilcolina, ligada a alguma interação com a função pré-sináptica. Também o efeito inibidor do linalol sobre as ligações glutamato foi observado em córtex de rato. Tais estudos fornecem assim uma base racional para o consagrado uso de plantas que o possuem em sua composição (manjericão, bergamota e Aeolanthus suaveolens entre outras).[carece de fontes?]

Outra capacidade atribuída há pouco tempo ao linalol é a inibição do desenvolvimento de larvas do mosquito da dengue Aedes aegypt. As águas residuais da extração deste óleo são, assim, uma alternativa ao uso de inseticidas sintéticos na prevenção desta doença epidêmica.[carece de fontes?]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.