Multiplataforma

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Ciência.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde março de 2014.

Tela de configuração do navegador Firefox, da Mozilla Foundation, um dos muitos programas multiplataforma.

Diz-se multiplataforma um programa ou sistema que pode ser executado em mais do que uma plataforma, como o Mozilla Firefox, ou que executa programas ou sistemas de mais de uma plataforma, por exemplo o MAME.[1]

Para um programa ser desenvolvido com vista ao suporte multiplataforma, um conceito essencial é a portabilidade do código-fonte.[2] No entanto, conseguir código verdadeiramente portável é uma tarefa complicada e, na década de 1990, surgiram plataformas de desenvolvimento que, entre outras coisas, eliminaram a necessidade do código portável: a aplicação resultante, após a compilação, poderia ser executada em qualquer sistema necessitando, para isso, uma camada no sistema operativo que transformasse o bytecode resultante em instruções nativas.[2] Alguns exemplos destas plataformas são: a linguagem de programação Java[2] (que impôs o conceito de máquina virtual a essa camada) e a mais recente plataforma .NET (que corre sobre uma framework).

Compiladores[editar | editar código-fonte]

Clang e GCC - são capazes de gerar código para diversas plataformas (cross-compiling) assim como pode ser executado em diversas plataformas.

Sistemas operacionais[editar | editar código-fonte]

Multiplataforma na comunicação[editar | editar código-fonte]

Multiplataforma é a forma como grande parte da sociedade atual consome informação e entretenimento.

As pessoas não consomem mais um produto (informação, entretenimento, história e etc…) de forma isolada, utilizando apenas um meio de comunicação. Anteriormente fazer cinema, era produzir um filme e reproduzi-lo nos cinemas. Fazer televisão era gravar um programa exibi-lo na programação. Escrevíamos um livro e vendíamos nas livrarias, com sorte ele podia virar um roteiro para um filme ou minissérie.

Atualmente, a indústria do entretenimento e informação busca a produção de narrativas multiplataformas. Para isso, primeiramente é necessário entender que o foco é a narrativa. Uma boa história pode se desdobrar de várias formas, se multiplicando em vários meios. É preciso desenvolver um conteúdo que interesse as pessoas. Um conteúdo que seja possível dar continuidade em novas versões, em novas mídias, em novas histórias.

Entretanto, é preciso entender que o conteúdo não é apenas adaptado e repetido em diferentes mídias. Cada meio possui seu papel na convergência de informação que chegam as pessoas. O produto final é a soma da narrativa de todos os meios. Cada meio é responsável por contar parte ou detalhes da história. Entretanto, a história pode ser entendida, mesmo que você não tenha acesso a todas as plataformas.

Algumas das principais produções dos últimos anos realizadas na indústria do entretenimento são narrativas multiplataformas, como Matrix, Star Wars, Harry Potter, Heroes e outros.[3]

Referências

  1. Design Guidelines: Glossary java.sun.com. Visitado em 17 de abril de 2012.
  2. a b c Cross platform Definition from PC Magazine Encyclopedia www.pcmag.com. Visitado em 17 de abril de 2012.
  3. R T Andaku. O que é uma estratégia Multiplataforma. Visitado em 28 de agosto de 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Informática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.