Papiro Harris I

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Papiro Harris I, também chamado Grande Papiro Harris, ou ainda Papiro Harris (embora haja outros papiros na coleção de Harris) é um manuscrito do Antigo Egito, escrito em papiro, de temas religiosos e históricos.

Está datado durante a Dinastia XX, no princípio do reinado de Ramsés IV. Procedente de Tebas, foi encontrado numa tumba em Deir el-Medina e comprado por A.C. Harris, em 1855; posteriormente, em 1872, foi adquirido pelo Museu Britânico, no qual está custodiado desde 1872 e catalogado como EA9999/2.

É o manuscrito em papiro de maior tamanho encontrado, com 41 m de comprimento e cerca de 1500 linhas de texto.[1] ; está redigido em escrita hierática; divide-se em cinco seções, com 117 colunas, de doze ou treze linhas. Contém três desenhos, representando a Ramsés III frente às tríadas dos deuses de Tebas, Mênfis e Heliópolis.

O texto[editar | editar código-fonte]

O texto descreve as doações do rei aos deuses e aos templos de várias cidades, durante 31 anos, para obter o favor dos deuses. A lista de doações ocupa a maior parte do papiro.

A última parte do texto narra acontecimentos da Dinastia XX, descrevendo a situação caótica a princípios do período, e glorificando as façanhas do rei.

Termina com a morte de Ramsés III e a ascensão ao trono do seu filho Ramsés IV, mas não cita a chamada conspiração do harém nem o assassinato do faraó.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Erichsen, W: Der Papyrus Harris I. Bibliotheca Aegpthiaca V. Bruxelas, 1933.
  • Schädel: Die Listen des Grossen Papyrus Harris, 1936.

Referências

  1. Bryce, Trevor. The Kingdom of the Hittites. [S.l.]: Oxford University Press, 1998. p. 370. ISBN 978-0199240104