Paul (ecossistema)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Um paul em Henstedt-Ulzburg, norte da Alemanha.

Paul (do latim palus,ūdis 'brejo, mangue, charco') é um ecossistema de zona húmida (português europeu) ou zona úmida (português brasileiro) caracterizado por acumulação progressiva de turfa , com alto teor de matéria orgânica de origem vegetal. Trata-se de um ecossistema frágil, onde, apesar das emissões de metano, há mais síntese do que degradação de matéria orgânica.

Podem ser considerados cinco tipos de zonas húmidas: as zonas húmidas marinhas, as zonas húmidas estuarinas, as zonas húmidas lacustres, as zonas húmidas fluviais e as zonas húmidas palustres. Os pauis, juntamente com as turfeiras e os pântanos, incluem-se nesta última categoria.

Segundo a definição constante na Convenção sobre as Zonas Húmidas de Importância Internacional (Convenção de Ramsar)uma zona húmida é uma zona de pântano, charco, turfeira ou água, natural ou artificial, permanente ou temporária, com água estagnada ou corrente, doce, salobra ou salgada, incluindo águas marinhas cuja profundidade na maré baixa não exceda os 6 metros.

A Convenção sobre Zonas Húmidas é um tratado intergovernamental instituído a 2 de fevereiro de 1971, na cidade iraniana de Ramsar, relativo à conservação e ao uso racional das zonas húmidas .[1] A situação de transição entre o meio aquático e o meio terrestre confere a estas zonas características muito especiais, nomeadamente uma grande biodiversidade. São tidas, atualmente, como importantes "reservas genéticas, habitats privilegiados de fauna e flora, reguladores bioclimáticos locais. [2]

A escassez deste tipo de zonas a nível mundial (2% do território) e a nível europeu (3% do território) tem transformado a sua conservação num dos objetivos prioritários das políticas atuais de conservação da Natureza.

Portugal é signatário da Convenção de Ramsar desde 9 de outubro de 1980. Na parte continental do território português existem algumas zonas húmidas designadas como sítios de Ramsar, das quais cinco são zonas palustres (Paul de Arzila, Paul de Madriz,[3] Paul de Boquilobo, Paul da Tornada, Paul do Taipal[4] [5] ). Na Macaronésia, região biogeográfica que inclui para além dos Açores, o arquipélago da Madeira e o arquipélago de Canárias, existem algumas zonas húmidas costeiras. Nas Canárias existe o Paul de Maspalomas, cuja situação tem algumas semelhanças com o Paul da Praia da Vitória, na ilha Terceira, Açores e que foi, recentemente, alvo de um processo de recuperação. Nos Açores existem, na ilha do Pico (Lajes do Pico) e ilha de São Jorge (Fajã dos Cubres e da Fajã da Caldeira de Santo Cristo), algumas zonas húmidas costeiras, no entanto com características diferentes (quer em termos de enquadramento, quer em termos de dinâmica dos ecossistemas) do Paul da Praia da Vitória. Na costa leste da Ilha Terceira, próximo do Paul da Praia da Vitória, há dois pauis: o Paul do Belo Jardim e o Paul da Pedreira. O primeiro localiza-se fora do centro urbano da cidade, e o segundo, também bastante afastado da cidade, foi criado artificialmente, como resultado da operação de despedrega efetuada no local. As opiniões relativamente à sua viabilidade como zona natural divergem.[6] [7]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]