Placa tectónica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Placas tectônicas do mundo

Uma placa tectônica (português brasileiro) ou tectónica (português europeu) é uma porção da litosfera limitada por zonas de convergência, zonas de subducção e zonas conservativas. A Terra tem sete placas tectônicas principais e muitas mais sub-placas de menores dimensões. Segundo a teoria da tectônica de placas, as placas tectônicas são criadas nas zonas de divergência, ou "zonas de rifte", e são consumidas em zonas de subducção. É nas zonas de fronteira entre placas que se regista a grande maioria dos terremotos e erupções vulcânicas. São reconhecidas 52 placas tectônicas, 14 principais e 38 menores.[1]

Limites das placas tectônicas[editar | editar código-fonte]

Podemos considerar três tipos principais de limites entre as placas tectónicas: convergentes, divergentes e transformantes.

Limites convergentes[editar | editar código-fonte]

Limite das placas tectônicas

São, de modo geral, zonas de subducção, onde as placas se encontram e explodem. Uma delas mergulha por debaixo da outra (sempre a mais densa) e regressa à astenosfera. Existem três tipos de convergência:

  • Convergência crosta oceânica-crosta continental

Quando isso acontece, normalmente formam-se fossas abissais.Um exemplo é a fossa Peru-Chile, onde a placa de Nazca mergulha sob a placa Sul-americana. A zona de convergência entre uma placa oceânica e uma placa continental é chamada de margem continental ativa. Isto acontece porque a crosta oceânica é mais densa que a crosta continental, deste modo imerge.

  • Convergência crosta oceânica-crosta oceânica

Nesses casos, formam-se arcos vulcânicos, como nas ilhas Marianas (placa do Pacífico e placa das Filipinas)

  • Convergência crosta continental-crosta continental

Nestes casos é muito difícil que uma placa mergulhe sobre a outra por causa da densidade de alguns elementos. Às vezes uma placa sobrepõe-se sobre a outra, num movimento de obducção. Pode ocorrer também a colisão entre as placas e a formação de cadeias de montanhas. O exemplo mais conhecido é o choque da placa Euro-Asiática com a indiana, que deu origem à cadeia dos Himalaias.

Limites divergentes[editar | editar código-fonte]

Também chamados cristas em expansão ou margens construtivas, porque nesses limites está sendo aumentada a crosta oceânica, a partir de magma vindo do manto, causando o afastamento das placas tectônicas. São exemplos de formações de limites divergentes as cordilheiras submarinas meso-oceânicas.

Lista das principais placas tectônicas[editar | editar código-fonte]

Placas principais[editar | editar código-fonte]

Placas menores[editar | editar código-fonte]

Placas no interior de orógenos[editar | editar código-fonte]

Alguns modelos identificam mais algumas placas menores no interior de orógenos actuais:

Placas antigas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. Bird, P.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Placa tectónica


Placas tectônicas
Placas tect2 pt BR.svg
PLACAS PRINCIPAIS
Africana | da Antártida | Australiana | Euro-Asiática | do Pacífico | Norte-americana | Sul-americana
PLACAS MENORES
Adriática | da Anatólia | Arábica | Caribenha | da Carolina | de Cocos | das Filipinas | de Gorda | Helênica | Indiana | Indo-Australiana | Iraniana | Juan de Fuca | de Nazca | de Scotia | da Somália | de Sunda | de Tonga