Poliolefina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Uma caixa de papel embrulhada com filme de poliolefina contraída por calor (sopro de ar quente)


As poliolefinas são polímeros que têm como monómero uma olefina simples (também chamada alqueno com a fórmula geral CnH2n). Por exemplo, polietileno é uma poliolefina produzida por polimerização da olefina etileno. Um termo equivalente é polialqueno; este é um termo mais moderno, embora poliolefina é ainda usada na indústria petroquímica. Polipropileno é outra poliolefina comum a qual é feita da olefina propileno.

História[editar | editar código-fonte]

As poliolefinas foram descobertas em 1954 pelo químico italiano Giulio Natta[1] . Os estudos de Natta, que se iniciaram em 1938 e, a partir de 1953, tiveram o financiamento da empresa química italiana Montecatini[2] , receberam o prêmio Nobel de química de 1963, junto com Karl Ziegler, pelas "descobertas no ramo da química e tecnologia de polímeros"[3] .

Propriedades[editar | editar código-fonte]

Poliolefinas são impossíveis de serem unidas por um solvente porque elas possuem excelente resistência química e podem somente ser adesivamente ligadas após um tratamento de superfície porque tem energia de superfície muito baixa. Elas também são extremamente inertes quimicamente e exibem descrescente força à altas temperaturas.

Referências

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.