Etileno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Pode encontrar ajuda no WikiProjeto Química.

Se existir um WikiProjeto mais adequado, por favor corrija esta predefinição. Este artigo está para revisão desde dezembro de 2009.

Etileno
Alerta sobre risco à saúde
Modelo estrutural
Modelo pau-bola
Modelo tridimencional
Nome IUPAC Eteno
Nome sistemático Eteno
Outros nomes Etileno
Identificadores
Número CAS 74-85-1
PubChem 6325
Número EINECS 200-815-3
KEGG C06547
MeSH C036216
ChEBI 18153
Número RTECS KU5340000
SMILES
InChI InChI=1/C2H4/c1-2/h1-2H2
Propriedades
Fórmula molecular C2H4
Massa molar 28,05 g/mol¹
Aparência Gás incolor
Densidade 1,178 kg/m3 (15 °C, gás)
577 kg/m3 (líquido)
Ponto de fusão

−169,2 °C (104,0 K)

Ponto de ebulição

−103,7 °C (169,5 K)

Solubilidade em água 3,5 mg/100 ml (17 °C)
Acidez (pKa) 44
Estrutura
Forma molecular D2h
Termoquímica
Entalpia padrão
de formação
ΔfHo298
+52.47 kJ/mol
Entropia molar
padrão
So298
219.32 J/K·mol
Capacidade calorífica
molar
Cp 298
42,9 J/K·mol
67,4 J/K·mol (líquido)
Farmacologia
Riscos associados
Classificação UE Extremamente inflamável (F+)
Principais riscos
associados
Problemas cardio-respiratórios. Sequelas no sistema nervoso central.
NFPA 704
NFPA 704.svg
4
1
2
 
Frases R R12
Frases S S9, S16, S33
Ponto de fulgor −136 °C
Temperatura
de auto-ignição
450 °C
Limites de explosividade 2,7-36%
Compostos relacionados
alquenos e alcadienos relacionados propileno
butenos (4 isômeros, inclusive isobutileno)
1,3-Butadieno
1,2-Butadieno
Compostos relacionados Estireno (feniletileno)
Etanol
Óxido de etileno
Acetileno
Cloreto de vinila (cloro eteno)
Excepto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições PTN

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.
As ligações não se encontram em ângulos rectos.

O etileno ou eteno é o hidrocarboneto alceno mais simples da família das olefinas, constituído por dois átomos de carbono e quatro de hidrogênio (C2H4). Existe uma ligação dupla entre os dois carbonos. A existência de uma ligação dupla significa que o etileno é um hidrocarboneto insaturado. Pela nomenclatura IUPAC recebe a denominação de eteno.

A molécula não pode rodar em torno da ligação dupla, e os seis átomos dispõem-se no mesmo plano. O ângulo das duas ligações carbono-hidrogênio é de 117º, muito próximo dos 120º preditos pela hibridização sp² ideal.

É um gás incolor, odor etéreo, levemente adocicado que liquefaz a -103°C e solidifica a -169°C, sendo o composto químico de maior utilização no setor químico industrial. [1]


Obtenção[editar | editar código-fonte]

Destilação seca da hulha[editar | editar código-fonte]

A hulha é aquecida a uma temperatura de 1000°C/1300°C em presença de uma corrente de ar. Obtém-se uma fração gasosa que contém entre 3% a 5% de etileno.

Desidrogenação do etano[editar | editar código-fonte]

Industrialmente o etileno é preparado pela desidrogenação do etano (retirada de hidrogênio). A desidrogenação ocorre entre 500°C e 750°C, utilizando catalisadores como óxido de crômio, de molibdênio, de vanádio e de urânio suspensos em alumina.

CH 3 - CH3 --> CH2 = CH2 + H2

Desidratação do álcool etílico[editar | editar código-fonte]

Várias indústrias propõem a fabricação de plástico verde ou ecológico a partir do álcool etílico produzido a partir da cana de açúcar. O método é antigo e semelhante a fabricação de éter etílico (antigamente chamado sulfúrico):

CH3CH2OH --> CH2=CH2 + H2O

O método é catalisado por ácido sulfúrico ou alumina. A baixa temperatura favorece a produção do éter etílico e alta temperatura favorece o etileno.

Craqueamento do petróleo[editar | editar código-fonte]

Quando moléculas grandes constituintes do petróleo (geralmente alcanos) são quebradas (inglês to crack = quebrar) através de um processo simples de aquecimento utilizando catalisadores (pode ser silica, alumina Al2O3), forma-se um fração gasosa que contém na sua composição etileno. Esse processo é um dos mais simples que ocorrem com a transformação do petróleo.

Aplicações[editar | editar código-fonte]

O etileno é usado como:

  • Anestésico: Em intervenções cirurgicas pode ser usado como anestésico moderado.
  • Amadurecimento de frutas: O etileno é produzido naturalmente em plantas, sendo responsável pelo amadurecimento de frutos. É usado para amadurecer de maneira forçada frutas verdes.
  • Obtenção de álcool: O etileno em presença de ácido sulfúrico transforma-se em etanol (álcool comum).
  • fabricação do polietileno, plástico de amplo uso (as propriedades do polietileno dependem da técnica usada na polimerização).
  • Utilizado na mistura denominada MGR (Mixed Gas Refrigerant - gás misto refrigerante), que é fundamental para liquefação do gás natural (GNL) em processos industriais, onde a refrigeração necessária é obtida por uma válvula Joule-Thomson.

A maior aplicação do etileno é através do emprego de derivados obtidos a partir dele:

Etileno como hormônio vegetal[editar | editar código-fonte]

Modo de ação[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, o Etileno liga-se a um receptor proteico na membrana do Retículo Endoplasmático. Em seguida, esse receptor deixa de ativar uma proteína, a CTR1, que atua como reguladora negativa da cadeia de sinais químicos que produz a resposta biológica do etileno. Em outras palavras, a presença do etileno inativa uma proteína que atua como inibidora, fazendo então com que a resposta ocorra. Na ausência do etileno, a CTR1 inibe a formação dos fatores de transcrição que irão regular a expressão de genes de resposta ao etileno na planta. [2] .

Efeitos biológicos[editar | editar código-fonte]

Vem sendo demonstrado que o Etileno regula diversas respostas nos vegetais [3] . O etileno é conhecido como “hormônio do amadurecimento”, pois promove o amadurecimento de frutos. Outros efeitos biológicos promovidos pelo etileno são: germinação de sementes; epinastia (curvatura para baixo)de folhas; abscisão (queda) de frutos maduros, órgãos senescentes ou danificados e folhas; expansão celular horizontal e crescimento lateral do caule; quebra de dormência de gemas e sementes em algumas espécies; alongamento do caule de espécies vegetais aquáticas submersas; formação de raízes e pêlos absorventes; indução floral e expressão sexual, como por exemplo em Cucurbitaceae (família das abóboras), o etileno induz a preferência de flores femininas. Embora o etileno iniba o florescimento na maioria das espécies, em plantas de abacaxi ele induz o florescimento [4] .


Referências

  1. Propylene Production from Methanol. by Intratec, ISBN 978-0-615-64811-8.
  2. Davies, P.J. Plant Hormones. New York: Springer, 3a Ed., 2010
  3. TAIZ, L, ZEIGER, E. Fisiologia Vegetal. Porto Alegre: Artmed, 4ª Ed., 2009
  4. RAVEN, P. H., EVERT, F. R., EICHHORN, S. E., Biologia Vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, 6ª Ed., 2001