Potencial hidrelétrico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cachoeira: o desnível abrupto em um curso d'água pode representar um bom potencial hidrelétrico

Potencial hidrelétrico é a capacidade de produção de energia elétrica de um rio ou de uma bacia hidrográfica. Uma alternativa para a compreensão do termo é entendê-lo como a possibilidade teórica de se gerar energia elétrica utilizando a energia potencial de mananciais hídricos. Essa possibilidade deve ser constatada e comprovada, inicialmente, com cálculos expeditos para, então, caso o interesse persista, se aprofundar nos estudos e levantamentos que forneçam informações mais detalhadas acerca da potencialidade de se obter eletricidade. Para tanto, o conhecimento do tamanho e da qualidade do manancial são de fundamental importância para a verificação do potencial hidrelétrico.

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o potencial hidrelétrico nacional é composto pela soma do potencial estimado (remanescente e individualizado) com o potencial inventariado. A Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) considera as seguintes definições[1] :

Potencial estimado remanescente[editar | editar código-fonte]

Obtido por estimativas feitas em escritório de dados já disponíveis, sem novos levantamentos, de um trecho de curso d'água, sem determinar o local da implantação do aproveitamento.

Potencial estimado individualizado[editar | editar código-fonte]

Calculado com estimativas feitas usando dados já disponíveis e levantamentos complementares específicos para um determinado local, sem qualquer levantamento mais detalhado.

Potencial inventariado[editar | editar código-fonte]

Compõe-se do potencial de usinas em diferentes níveis de estudo - inventário, viabilidade e projeto básico - e do potencial de usinas já em construção e em operação na bacia em estudo.

O potencial técnico de aproveitamento da energia hidráulica do Brasil está entre os cinco maiores do mundo e é estimado em cerca de 260 GW, dos quais 40,5% estão localizados na bacia do rio Amazonas. Já as bacias dos rios Paraná, Tocantins e São Francisco respondem, respectivamente, por 23%,10,6% e 10% do total. Atualmente, apenas 63% do potencial hidrelétrico brasileiro foi inventariado, sendo que a Região Norte ainda tem um grande potencial a ser explorado.[2]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ANTUNES, Celso. Geografia e participação, 1º grau: Regiões do Brasil. São Paulo: Scipione, 1996.
  • GARCEZ, L. N. - Hidrologia, Editora Edgard Blucher, São Paulo, 1974, 249p.
  • BRASIL. MME, Manual de Inventário Hidroelétrico de Bacias Hidrográficas edição 2007, Ministério de Minas e Energia, CEPEL, Rio de Janeiro, 2007, 684p.