Purismo linguístico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Fevereiro de 2008).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Purismo linguístico ou protecionismo linguístico é a ideologia que diz que os idiomas devem ser protegidos de línguas "mais fortes", sendo uma ideia relacionada ao nacionalismo. Um bom exemplo de purismo linguístico é o nacionalismo do Quebec, no Canadá, a única região do país onde o francês é falado, não o inglês. O governo quebecois tem feito várias tentativas para impedir o francês de desaparecer na América do Norte, como fazendo-a a única língua oficial da província e impedindo que o inglês seja colocado em placas.

O Islandês também é exemplo de língua que adota o purismo linguístico. As palavras, neologismos, são buscadas nas raízes de sua própria língua.

O purismo linguístico também é visto no Brasil, onde há muitas expressões derivadas do inglês americano, como "escanear", "skate" e "xerox" (no caso do último, a substituição da palavra "fotocópia"); mas isto não se dirimirá tão facilmente.

No Irã, o purismo linguístico foi adotado pelo governo em tentativas de suprimir palavras derivadas de língua estrangeira, como "pizza".

Críticas[editar | editar código-fonte]

O purismo linguístico vai contra alguns fundamentos do cosmopolitanismo, pois é uma forma de nacionalismo (ver antinacionalismo).

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.